Montepio

Rival de Tomás Correia pede “urgência” à ASF

António Godinho, ex-candidato à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral. Fotografia: Bruno Raposo/Global Imagens
António Godinho, ex-candidato à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral. Fotografia: Bruno Raposo/Global Imagens

Godinho explica porque decidiu não participar na assembleia geral da Mutualista que se realizou ontem à noite.

António Godinho, que ficou em segundo lugar nas eleições para a liderança da Associação Mutualista Montepio Geral, pede ao regulador dos seguros que a avaliação de idoneidade de Tomás Correia seja concluída “com a maior urgência” para “serem convocadas eleições num quadro de democraticidade”.

António Tomás Correia foi eleito em dezembro para cumprir um quarto mandato à frente da maior Mutualista do país mas tem estado sob pressão para sair. A pressão aumentou com notícias de que o Banco de Portugal aplicou coimas de 1,25 milhões de euros a Tomás Correia por atos alegadamente cometidos quando era líder do Banco Montepio.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, o Godinho voltou a “denunciar a falta de democracia e pluralismo no Montepio” e explica porque não participou na assembleia geral da Associação que decorreu ontem à noite.

“É do conhecimento público a pobreza da democracia na Associação Mutualista, os discutíveis procedimentos da mesa da assembleia geral, quiçá o último figurino ‘democrático’ em Associações Mutualistas apenas concebido para favorecer os dirigentes em exercício”, diz Godinho.

Adianta que “nas votações, quem discorda é exposto a votar em pé, pois que as abstenções não são estatutariamente consideradas”.

“Participar nesta assembleia geral seria proporcionar a Tomás Correia uma oportunidade de legitimação formal”, frisa.

A AG teve quatro pontos na ordem de trabalhos, incluindo a aprovação das contas de 2018 e a eleição da comissão de revisão de estatutos, com a vista à adaptação ao novo Código das Associações Mutualistas.

Depois de uma controvérsia sobre a quem cabia a avaliação da idoneidade dos gestores da Mutualista, o governo aprovou uma clarificação ao Código das Associação Mutualistas para que ficasse claro que, afinal, cabe à ASF-Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões fazer a dita avaliação.

Com esta clarificação, a ASF ficou a ‘batata quente’ de avaliar a António Tomás Correia Antes do esclarecimento da lei, governo e ASF atiravam um contra o outro a responsabilidade pela avaliação do gestor.

Tomás Correia refuta as acusações do Banco de Portugal e anunciou que iria contestar a decisão do supervisor, tendo sugerido que está a ser penalizado por não ter permitido que o Banco Montepio passasse para mãos estrangeiras.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Rival de Tomás Correia pede “urgência” à ASF