Estado da Nação

Rui Rio quer Ministério Público a investigar contrato de venda do Novo Banco

O presidente do PSD, Rui Rio, participa no debate parlamentar sobre o Estado da Nação, na Assembleia da República, em Lisboa, 24 de julho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA
O presidente do PSD, Rui Rio, participa no debate parlamentar sobre o Estado da Nação, na Assembleia da República, em Lisboa, 24 de julho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Para o líder do PSD, o banco, a par com a TAP são "dois monstros de proporções gigantescas" e critica a forma como os dois dossiês têm sido geridos.

O PSD acredita que já há matéria suficiente para que o Ministério Público investigue o contrato de venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star.

“Tudo isto que temos visto e ouvido é já suficiente para que o Ministério Público se possa debruçar sobre a forma como este contrato de venda do Novo banco à Lone Star tem vindo a ser executado”, sugeriu o presidente social-democrata, Rui Rio.

“No Novo Banco, não se entende como o Governo entrega recorrentemente milhões de euros dos nossos impostos, sem cuidar de analisar ao pormenor a justeza desses pagamentos e a razoabilidade das perdas invocadas”, começou por apontar o líder do maior partido da oposição.

“O Novo Banco deve ter sido o único proprietário em Portugal que, nos anos imediatamente anteriores à pandemia, vendeu imóveis a perder dinheiro”, frisou Rui Rio, acrescentando que “mais estranho se torna, quando, pelas últimas notícias que ouvimos parece ter vendido a fundos de investimento com ligação recente ao presidente do seu próprio Conselho Geral e de Supervisão”. “Também não se entende, por que razão o Novo Banco agrupa em lotes gigantescos os imóveis que pretende alienar, restringindo a procura e reforçando, assim, o peso negocial dos potenciais compradores”, concluindo que há matéria para que a justiça investigue a execução do contrato sobre a venda de imóveis.

O “monstro” da TAP
Para o líder do PSD, o Novo Banco e a TAP são “dois monstros de proporções gigantescas em face da debilidade das nossas finanças públicas e da conjuntura económica e social que atravessamos”, apontou.

“Se olharmos para a forma como o Estado entrou na TAP, tudo nos faz temer o pior”, antecipa o líder do PSD, indicando que a “TAP é uma empresa falida, por permanente acumulação de prejuízos”.

E sobre a injeção até 1,2 mil milhões de euros, Rui Rio disse que se trata de “uma verba que serve, entre outros fins, para pagar o lay-off principesco que a TAP, apesar de não ter dinheiro, resolveu pagar aos seus colaboradores, a exemplo dos prémios salariais que gosta de distribuir em anos de prejuízo”, acrescentando que “é também para isso que vai agora o dinheiro dos impostos dos portugueses”.

A Comissão Europeia deu “luz verde” ao empréstimo do Estado até 1,2 mil milhões de euros, dependente de uma reestruturação da companhia que pode passar por redução da frota e das rotas e despedimento de pessoal.

Notícia atualizada às 12h20

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Rui Rio quer Ministério Público a investigar contrato de venda do Novo Banco