Coronavírus

Santander cria condições especiais para ajudar empresas e famílias

Pedro Castro Almeida, CEO do Santander

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )
Pedro Castro Almeida, CEO do Santander ( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Banco compromete-se ainda com trabalhadores a não usar lay off e pagar salários a 100%.

Numa altura em que empresas e famílias pedem medidas adicionais para enfrentar os efeitos económicos do novo coronavírus, o Santander decidiu criar um pacote de medidas para ajudar a passar os momentos mais difíceis com o mínimo de preocupações.

“O Santander em Portugal está comprometido em vencer o surto Covid-19, sendo o apoio para as famílias e empresas a nossa parte nesta missão”, sublinha o banco, justificando a iniciativa com o atual quadro restritivo da atividade. E porque situações excecionais exigem medidas excecionais, o banco criou o plano Covid, oferecendo aos clientes condições “excecionais, pré-aprovadas”, para regularização e redução dos encargos mensais.

“Com estas medidas, o banco espera contribuir para que o país ultrapasse mais facilmente este momento de dificuldade numa altura em que todos os nossos colaboradores mantêm o banco a funcionar a 100% num espírito de profissionalismo e de dedicação pessoal e profissional que a todos nos orgulha”, sublinha a Comissão Executiva liderada por Pedro Castro Almeida.

Como o Santander vai ajudar as famílias?

Adiamento de amortizações de caital no crédito, possível renegociação e suspensão de bonificações por incumprimeot, para reduzir necessidades de liquidez imediatas.
“- As cerca de 250 mil famílias portuguesas que têm o seu crédito à habitação junto do Banco Santander terão à sua disposição nos canais digitais do banco a possibilidade de solicitarem de uma forma simples e prática a renegociação do seu crédito com a carência imediata de amortização de capital durante 6 meses para as operações de crédito que se encontrem em situação regular.
Esta possibilidade estará disponível logo que seja clarificado o enquadramento legal em Portugal de aplicabilidade das decisões anunciadas pelo Banco Central Europeu na passada 6ª feira. Com esta medida, o banco permite que as famílias não amortizem neste período quase mil milhões de euros de capital;
– A possibilidade de renegociação do crédito através da carência de capital durante 6 meses será estendida aos créditos ao consumo em situação regular junto do banco;
– Estas renegociações estarão isentas de comissões de alteração das características do crédito;
– O banco suspenderá igualmente a perda de bonificação de spread por clientes que venham a incumprir as condições de cross-selling que estão incluídas nos seus contratos de crédito à habitação pelo prazo de 6 meses.”

Suspensas as comissões de transferências online e reforço de atendimento por telefone para facilitar a utilização de canais digitais e o acesso a operações bancárias sem sair de casa.
“- Suspendemos por 30 dias o pagamento de comissões de transferências nacionais através de canais digitais do banco, incluindo o serviço MBway quando utilizado na App Santander. Assim, os clientes do banco podem utilizar os seus canais digitais para as suas operações do dia-a-dia nomeadamente transferências, pagamentos, consultas de saldo, carregamento de telemóveis e pagamentos ao Estado com toda a conveniência e sem custos. O prolongamento desta medida será reavaliado atempadamente;
– Reforçamos com mais 100 colaboradores o atendimento por via telefónica direta para que o maior fluxo de chamadas continue a ser atendido com a rapidez e o elevado nível de serviço habitual;
Para reduzir o risco de utilização de cartões de débito e de crédito
– Isentamos de comissões de disponibilização o pedido de novos cartões contactless durante os próximos dois trimestres.

Como o Santander vai ajudar as pequenas e médias empresas?

Possibilidade de renegociação de créditos para redução das suas necessidades de liquidez imediatas.
“- O banco está disponível para renegociar as características dos créditos de pequenas e médias empresas que se encontrem em situação regular e cujos créditos estão em período de reembolso que mais de 67 mil empresas têm junto do banco oferecendo uma carência de capital prazo de até 12 meses. A solicitação desta possibilidade poderá ser efetuada de forma simples através dos canais digitais do banco a partir da próxima 5ª feira. Esta renegociação será efetuada sem qualquer alteração no spread das operações e sem qualquer cobrança de qualquer comissão de alteração do contrato.”

Manutenção das condições de crédito para satisfazer necessidades adicionais de tesouraria de curto prazo.
“- O banco mantém inalterados todos os limites de crédito contratualizados quer com caráter revogável, quer com caráter irrevogável com as empresas que assim, de uma forma simples e imediata, podem aceder a cerca de 4 mil milhões de euros de crédito adicional sem qualquer alteração das condições de spread ou de outras comissões associadas;

– O banco encontra-se já a dinamizar junto das empresas nacionais os mais de 3 mil milhões de euros de linhas de apoio anunciadas pelo Estado Português, estando pronto a efetuar a sua disponibilização logo que as instituições nacionais o permitam. Caso tal seja também autorizado, o banco está disponível para proceder desde já a adiantamentos de 20% do montante aprovado pelo banco aos seus clientes ao abrigo destas linhas para que os seus clientes possam receber de imediato injeções de liquidez sem ter que esperar pela aprovação pelas entidades públicas.”

Suspensão da mensalidade de POS e adesão sem custos a canais para facilitar a utilização do digital e reduzir o custo de utilização.
“- Para todos os comerciantes o Santander suspende a cobrança da mensalidade dos POS e isenta a aplicação de um valor mínimo sobre as transações efetuadas. Para apoiar as transações “sem contacto” o Santander suspende também a cobrança de todas as comissões do serviço MBWay no POS. Esta medida tem a duração de 30 dias e será reavaliada atempadamente.
– O banco flexibilizou a operativa de adesão aos canais digitais por parte das empresas para que sem deslocação a qualquer agência bancária seja possível essa adesão.”

Como o Santander vai ajudar famílias e empresas no acesso aos serviços bancários e aos serviços de saúde?

“- Sabemos que para a economia funcionar os bancos e serviços financeiros têm de estar disponíveis. Por isso mantemos aberta a vasta maioria das nossas agências bancárias, mesmo que em horário reduzido e com condicionamento à entrada.
– Igualmente reforçamos a capacidade dos nossos canais digitais para que um maior número de clientes possa em simultâneo aceder aos serviços do banco, devendo estes ser o meio preferencial de contacto nesta fase para segurança e pela saúde de todos.
– Na área seguradora, e no sentido de assegurar uma maior segurança e proteção dos Clientes face ao Covid-19, o banco disponibiliza para todos os Clientes Santander, de forma gratuita até 30 de junho, o Serviço Médico Online, através da App SafeCare Saúde da Aegon Santander, oferece aos clientes com seguro o teste para despiste do Covid-19, tendo revisto as garantias dos Seguros de Proteção, por forma a alargar o seu âmbito e o acesso a mais serviços, sem custos adicionais.”

Além destas medidas, o banco tomou ainda um conjunto de decisões para proteger os colaboradores do banco e as famílias deles, que acrescentam às medidas de cariz social habitualmente disponíveis o compromisso de “não utilizar a figura do layoff simplificado que foi aprovado pelo Estado Português neste período de emergência nacional” e de pagar “na totalidade o salário dos seus colaboradores sem solicitar qualquer apoio público que estejam em quarentena, tenham que estar a ajudar familiares nos termos legais ou que estejam em grupos de risco pois a todos os que comprovadamente estejam nesta situação será disponibilizada a possibilidade de teletrabalho se o desejarem”.

No entender da Comissão Executiva do Santander Portugal “esta situação de emergência que atravessamos exige um esforço de todos para ajudar a mitigar e ultrapassar o seu impacto”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Santander cria condições especiais para ajudar empresas e famílias