banca

Santander vai lançar primeiros cartões bancários biodegradáveis

Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta
(Diana Quintela/ Global Imagens)
Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta (Diana Quintela/ Global Imagens)

Passo insere-se no compromisso do grupo em eliminar todos os plásticos descartáveis dos seus edifícios até 2021.

A partir do próximo ano, o banco Santander vai entregar os primeiros cartões bancários biodegradáveis e com selo de qualidade CarbonNeutral, certificado concedido a empresas que consigam compensar as emissões de carbono num determinado produto até reduzir o seu impacto ambiental a zero.

A medida está integrada no compromisso do grupo em “eliminar todos os plásticos descartáveis dos seus edifícios até 2021 e garantir que 100% da eletricidade consumida vem de fontes renováveis até 2025”, refere em nota de imprensa.

Para a concretização deste objetivo, o Santander apurou o valor das emissões de carbono geradas na produção e expedição dos cartões e reduziu a impacto nulo através do apoio a um projeto de conservação da floresta Amazónica do Acre, no Brasil.

“Este projeto visa contribuir para a sustentabilidade da floresta amazónica, protegendo um dos habitats mais diversificados do mundo. Estes apoios permitem trabalhar com comunidades e grupos locais na proteção do ecossistema, fornecendo simultaneamente modelos alternativos de desenvolvimento económico que evitam a destruição da floresta”, indica o banco. “Além da redução de emissões de carbono, o mesmo oferece ainda uma série de outros benefícios ligados ao desenvolvimento sustentável da região, tais como, o combate à pobreza, o combate à fome, saúde e bem-estar e não menos importante a vida na floresta”.

O Santander é um dos bancos signatários dos Princípios de Banca Responsável, que tem como objetivo anunciar um Compromisso Coletivo de Ação pelo Clima.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Santander vai lançar primeiros cartões bancários biodegradáveis