Alemanha

Schäuble: “Não estou preocupado com o Deutsche Bank”

As ações do Deutsche Bank estão a derrapar porque os investidores não acreditam que o banco consiga pagar os cupões das obrigações

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, garante não estar preocupado com o Deutsche Bank, apesar de as ações do maior banco alemão estarem a derrapar em bolsa.

“Não, não estou preocupado como Deutsche Bank”, disse o ministro alemão à Bloomberg, em Paris, depois de uma reunião com o ministro das Finanças francês. Schäuble não quis, contudo, acrescentar mais nada sobre este assunto.

O banco está a ser penalizado pelo receio dos investidores de que não haja capacidade para pagar os cupões das obrigações com maior risco, este ano e em 2017. Em causa estão as obrigações de capital contingente (as chamadas CoCos, que podem ser convertidas em ações caso o emitente enfrente dificuldades de capital).

O Deustche Bank tem 1,75 mil milhões de euros emitidos em obrigações CoCo e os títulos estão a negociar abaixo dos 75 cêntimos de euro, depois de terem derrapado 19% este ano.

Entretanto, o CEO do Deutsche Bank já veio tranquilizar trabalhadores e investidores, dizendo que o banco está “mais do que sólido” e tem uma “forte” capitalização. Assim, assegurou John Cryan, o Deutsche Bank vai cumprir as obrigações, mesmo as de risco mais elevado.

O comunicado emitido pelo Deutsche Bank foi divulgado publicamente através da página do banco no Twitter.

Isto apesar de, no ano passado, o Deutsche Bank ter reportado prejuízos de 6,8 mil milhões de euros (os primeiros resultados anuais negativos desde 2008), penalizado, sobretudo, pelos custos de litigância, que ascenderam a 5,2 mil milhões de euros. Em bolsa, o banco já derrapou quase 39% desde o início do ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Schäuble: “Não estou preocupado com o Deutsche Bank”