Futuro da Banca

Sindicato dos bancários quer entrar no capital do Novo Banco

Governo entrou em negociações exclusivas com o Lone Star para a venda do Novo Banco.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) quer entrar no capital do Novo Banco, em parceira com a Lone Star.

Segundo a informação divulgada em comunicado, o sindicato dos bancários enviou uma carta ao Governador do Banco de Portugal e ao Fundo de Resolução para formalizar esta intenção. A iniciativa vem na sequência da carta enviada pelo fundo norte-americano a vários grupos portugueses no sentido de os convidar a participar no projeto para o Novo Banco.

“O Novo Banco é uma instituição de referência em Portugal, assumindo um papel muito importante no apoio às PME’s e na dinamização da economia nacional”, afirma Paulo Marcos, presidente do SNQTB, em comunicado. “O novo acionista deve assegurar a viabilidade desta instituição e, neste âmbito, é desejável que os colaboradores tenham uma efetiva intervenção na gestão e no futuro do Novo Banco, tal como acontece nas mais avançadas economias europeias”, acrescenta o comunicado.

O Novo Banco chamou os sindicatos para uma reunião esta tarde, como noticiou o Dinheiro Vivo.

Segundo o comunicado divulgado, o sindicato dos trabalhadores acredita que o Lone Star vai implementar um projeto “com base na manutenção do valor” mas garante que “não está disponível para participar em projetos que, aproveitando a fragilidade negocial e a perda de autonomia financeira da República Portuguesa, redundem na destruição de valor ou na eliminação de postos de trabalho”, afirma Paulo Marcos.

O Banco de Portugal já anunciou que entrou em negociações exclusivas com o Lone Star para a venda do Novo Banco. O processo está agora do lado do Governo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Sindicato dos bancários quer entrar no capital do Novo Banco