banca

Sindicato inquieto com reestruturações do Novo Banco e da CGD

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

"Sector ainda não está estabilizado, há processos que ainda têm de ser concluídos", como Novo Banco e CGD, diz o presidente do Sindicato dos Bancários do Norte.

Os recém-eleitos órgãos sociais do Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) tomaram posse, neste sábado, para o mandato 2017-2021, com o presidente, Mário Mourão, a destacar como prioridade os processos de reestruturação em curso no setor financeiro.

“Entre as prioridades neste mandato está, de imediato, continuar a situação de processos de reestruturação em curso no setor financeiro. O sector ainda não está estabilizado, há processos que ainda têm de ser concluídos, como o Novo Banco ou a Caixa Geral de Depósitos (CGD), e que o sindicato dará prioridade”, disse à agência Lusa Mário Mourão.

O sindicalista, que foi reeleito presidente da direção do SBN, afirmou que estes processos “trazem para a banca uma instabilidade muito grande” e que, nesse sentido, é necessário “estabelecer compromissos” para que reestruturar deixe de ser “uma desculpa” para diminuir o número de trabalhadores no setor.

“Muitas das instituições que o fazem [rescindir com trabalhadores] depois recorrem a trabalhadores de empresas de ‘outsourcing’ [subcontratação] em condições de precariedade. Mandam embora trabalhadores com convenção assinada e depois contratam outros a preços muito reduzidos e em situação muito precária. O sindicato tem de fazer a denúncia pública desta prática”, sublinhou Mário Mourão.

Alargar o SAMS

Outra das prioridades é o subsistema de saúde SAMS/SIB, com o sindicato a defender o alargamento da rede de cuidados de saúde a todo o território nacional e a prever estudar o recurso a novas especialidades nos postos clínicos.

Mário Mourão referiu ainda que o SBN quer recorrer ao centro geriátrico que detém para dar assistência ao domicílio aos seus associados de baixos recursos.

“Vamos implementar estas medidas e isto tem a ver com um objetivo — um aumento de sindicalizados do norte. Queremos ser os mais fortes na área que temos hoje. E, para isso, temos de tomar medidas a montante e a jusante”, afirmou o presidente do SBN.

Questionado sobre se o SBN tem perdido associados, Mário Mourão admitiu que sim: “Todos os sindicatos têm perdido associados”, afirmou, explicando que com os processos de reestruturação em curso no setor muitos trabalhadores têm saído e, por isso, deixam o sindicato.

“Também aí o sindicato tem de estudar a possibilidade de dar o apoio jurídico a trabalhadores que abandonaram o setor, por terem sido os escolhidos para rescindir com as empresas. Se descontaram durante anos porque os devemos abandonar?”, questionou, admitindo vir a estudar um programa específico para que esses trabalhadores possam manter o acesso ao subsistema de saúde.

O SBN conta com 19.000 associados e inaugurou recentemente uma residência sénior destinada aos associados com mais de 55 anos, num investimento total de nove milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Sindicato inquieto com reestruturações do Novo Banco e da CGD