Novo Banco

Sindicatos da UGT reúnem com Novo Banco para conhecer impacto da reestruturação

Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens
Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens

Saber qual o impacto da reestruturação do Novo Banco, é o objetivo da reunião dos sindicatos da UGT com a administração da instituição

A Federação sindical do Setor Financeiro (Febase), ligada à UGT, reúne-se esta terça-feira com a administração do Novo Banco para saber o impacto para os trabalhadores da reestruturação que será feira na instituição, na sequência da sua venda.

“A Febase pediu a reunião, uma vez que o processo de venda [do Novo Banco] está concluído, para saber o que está previsto em termos de reestruturação, nomeadamente de mais redução de balcões e postos de trabalho”, afirmou à Lusa Mário Mourão, que será o representante da Febase na reunião.

O dirigente sindical referiu que os sindicatos estão preocupados, uma vez que é habitual a saída de funcionários nos processos de reestruturação que envolvem planos negociados com a Comissão Europeia.

A reunião decorrerá esta terça-feira, pelas 11:00 (hora de Lisboa), na sede do Novo Banco, em Lisboa.

Em 18 de outubro foi concretizada a venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star, mantendo o Fundo de Resolução (até então o único acionista) uma participação de 25%.

O Novo Banco deixou, nessa data, de ser um banco de transição, mais de três anos depois da resolução do Banco Espírito Santo (BES), e entrou numa nova fase da sua vida.

Para já, é certo que será aplicado um plano de reestruturação (que foi negociado com a Comissão Europeia, que pediu garantias de que o banco será viável a longo prazo). Contudo, não é conhecido o que esse plano implicará em termos de redução de balcões e postos de trabalho.

O comunicado de Bruxelas, no dia em que deu autorização ao negócio (11 de outubro), referia apenas que a reestruturação implicava a redução da dimensão do banco, com “alienação de atividades não principais e outras medidas de redimensionamento”.

O Novo Banco reduziu o seu quadro de pessoal em mais de 2.000 trabalhadores desde que foi criado.

Em agosto passado trabalhavam no grupo Novo Banco 5.678 pessoas (95% nas atividades em Portugal e as restantes nas operações no estrangeiro), um número que significa uma redução de 2.044 pessoas quando comparado com os 7.722 trabalhadores que o grupo bancário tinha no final de 2014.

A saída dos cerca de 2.000 trabalhadores do Novo Banco nestes quase três anos deu-se por várias formas, como a venda de algumas operações (com consequente redução de trabalhadores, que ficaram a trabalhar com os novos donos dessas entidades) e por saídas naturais (como reformas).

Contudo, a maioria das saídas deveu-se a processos de rescisões, reformas antecipadas e houve mesmo um despedimento coletivo, no âmbito de processos de reestruturação que a instituição levou a cabo.

Só este ano, o Novo Banco reduziu o quadro de pessoal em mais de 400 pessoas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Sindicatos da UGT reúnem com Novo Banco para conhecer impacto da reestruturação