BPI

S&P altera perspetiva do BPI para “positiva” com registo da OPA

Fotografia: Gonçalo Villaverde - Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Villaverde - Global Imagens

S&P espera detalhes sobre custos de reestruturação e política de dividendos que o BPI terá com o CaixaBank para avaliar impacto da venda do BFA

A Standard & Poor’s (S&P) alterou a perspetiva para o rating do BPI de ‘em desenvolvimento’ para ‘positiva’, graças ao avanço oficial da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank sobre o banco português, de acordo com uma nota de análise divulgada pela agência de rating.

“A S&P reviu o estado da perspetiva para o rating ‘BB-‘ do BPI de ‘em desenvolvimento’ para ‘positiva'”, depois do “anúncio de 16 de janeiro do registo da OPA do CaixaBank sobre capital que ainda não detém do BPI (55%), justificou a S&P.

A revisão da perspetiva, acrescenta a agência, reflete a hipótese do grupo espanhol tomar o controlo total do banco, o que dará ao BPI a possibilidade de “beneficiar de apoio” reforçado vindo de um grupo de maior dimensão.

“Vemos potencial para subir o rating do BPI em dois patamares já que esperamos que o banco seja considerado, no mínimo, como uma subsidiária moderadamente estratégica do CaixaBank logo após a conclusão da OPA.”

Para a S&P, a integração do BPI num grupo de maior dimensão e capacidade financeira vai resolver alguns dos problemas que mais têm atrasado o banco, nomeadamente ao nível da “corporate governance e de uma base acionista dividida, aligeirando as nossas preocupações anteriores sobre a capacidade da gestão em conduzir o banco de forma eficaz”.

Tal como a Moody’s ontem, também a S&P aborda a relação do BPI com BFA e as recentes alterações no controlo deste banco angolano.

Para os analistas desta agência, a venda de 2% do BFA à Unitel “resolveu finalmente o notável excesso de concentração em Angola” do BPI, operação que todavia tem um outro lado: “A venda vai ter impacto negativo nos rácios do BPI de solvência e de capital ajustado ao risco [risk adjusted capital], que era de 5,8% no final de 2015.”

Sobre este aspeto, a S&P vai no entanto esperar mais detalhes sobre os custos de reestruturação e a política de dividendos que o BPI terá quando estiver integrado no universo CaixaBank.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

S&P altera perspetiva do BPI para “positiva” com registo da OPA