Swaps

Swaps: PCP lamenta que “a vida” tenha dado razão ao partido

Fotografia: Pedro Nunes / Lusa
Fotografia: Pedro Nunes / Lusa

O líder comunista lamentou que a vida tenha dado, "mais uma vez razão ao PCP", sobre os contratos 'swap' celebrados com empresas públicas

O líder comunista lamentou hoje que a vida tenha dado, “mais uma vez, razão ao PCP, ao comentar a decisão de um tribunal londrino favorável ao banco Santander Totta e os contratos ‘swap’ celebrados com empresas públicas.

“Infelizmente, a vida deu, mais uma vez, razão ao PCP, que denunciou esses negócios através das ‘swap’ em que o capital financeiro, particularmente a banca, tinha como garantidos lucros fabulosos, jogando com as taxas de juro”, afirmou Jerónimo de Sousa, à margem de uma reunião com a Ordem dos Médicos, em Lisboa.

O Tribunal de Recurso de Londres confirmou hoje a validade dos contratos de permuta de risco sobre taxas de juro (‘swap’) celebrados entre o Santander Totta e o Metropolitano de Lisboa, Carris, Metro do Porto e STCP.

Em causa estão nove contratos de ‘swap’ [contratos de permuta de taxa de juro] celebrados com o banco que, no início de 2013, seguindo orientações do Ministério das Finanças, as empresas públicas decidiram considerar inválidos, suspendendo os pagamentos previstos.

“Esse risco, precisamente calculado pela banca, levou a que as empresas públicas se endividassem e tivessem que ir agora fazer a respetiva indemnização, num processo ruinoso em que, mais uma vez, são os portugueses a ter de pagar”, condenou o secretário-geral do PCP.

Jerónimo de Sousa recordou que os comunistas sempre reivindicaram “o fim desse negócio com esse nome estrangeiro que, muitas vezes, os portugueses não compreendiam”.

“É uma dura lição e ensinamento. Ainda há possibilidades de recurso, mas já tem valor indicativo e um efeito devastador nas contas públicas”, disse.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Swaps: PCP lamenta que “a vida” tenha dado razão ao partido