crédito à habitação

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

lisboa casas turismo salarios portugal
Fotografia: Liam Mckay/Unsplash

A taxa de juro média desceu para 1% em janeiro de 2020. Nos contratos efetuados nos últimos três meses, a taxa média subiu para 1,065%.

A taxa de juro implícita nos contratos de crédito à habitação atingiu pela primeira vez os 1%, em janeiro deste ano, caindo dos 1,011% registados em dezembro.

Há seis meses consecutivos que a taxa de juro está em queda. “Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro subiu de 1,065% para 1,090%”, adianta o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Acrescenta que, em janeiro, “o capital médio em dívida aumentou 148 euros, fixando-se em 53.608 euros. A prestação média desceu um euro, para 247 euros”. “Deste valor, 45 euros [18%] correspondem a pagamento de juros e 202 euros [82%] a capital amortizado”, refere o INE.

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida foi 105.127 euros, um aumento de 2.189 euros face ao valor registado em dezembro. Nestes contratos, o valor médio da prestação desceu 28 euros, para 337 euros.

Desde julho de 2019 que a taxa de juro implícita no crédito à habitação tem vindo a descer. Já o capital médio em dívida sobe desde fevereiro do ano passado.

DECO deixa alertas

Para Nuno Rico, economista da DECO, a descida da taxa de juro implícita é explicada pela manutenção das taxas Euribor num nível baixo e pela forte concorrência dos bancos na oferta de crédito à habitação.

“Os bancos continuam a facilitar a concessão de crédito”, afirmou o economista da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Uma das consequências do aumento de concorrência nas ofertas de crédito tem sido uma descida dos spreads dos contratos.

Nuno Rico alerta os consumidores que estão a pensar contratar um crédito à habitação que tenham em conta que as taxas Euribor, que servem de referência para os empréstimos, estão em mínimos e deverão voltar a subir.

“Uma prestação mensal que hoje é comportável, dentro de uns anos pode já não o ser”, afirmou.

A taxa Euribor a seis meses, que é a mais utilizada em Portugal nos contratos de créditos à habitação, desceu esta terça-feira 0,005 pontos, para -0,358%. A taxa registou o mínimo histórico a 3 de setembro de 2019, nos -0,448%.

O economista alertou ainda para o facto dos imóveis em algumas zonas do país estarem sobreavaliados, havendo o risco de, no futuro, os proprietários estarem a pagar um empréstimo por um imóvel que não vale o montante foi financiado pelo banco.

Atualizada às 17H27 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%