Novo Banco

“Tiros nos pés” e “campo pantanoso”, os avisos de Carlos Costa a Vítor Bento

Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (JOÃO RELVAS/LUSA)
Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (JOÃO RELVAS/LUSA)

O presidente do BES na altura da resolução tinha afirmado que o Banco de Portugal precisava de mais dinheiro quando foi criado.

O governador do Banco de Portugal atacou os comentários do presidente do BES na altura da resolução, em agosto de 2014. Vítor Bento tinha considerado em março, numa entrevista à RTP, que a avaliação inicial do Novo Banco aquando da resolução do BES foi mal feita e que houve uma sobrevalorização dos ativos.

Confrontado com estas declarações esta terça-feira numa audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, Carlos Costa avisou Vítor Bento: “Não fui eu que assinei as contas de 27 de julho de 2014 e não foi isso que disseram os auditores que auditaram as contas.”

O governador do Banco de Portugal deixou um aviso: “As pessoas têm de ter cuidado com o que dizem sob pena de darem um tiro nos pés”. Acrescentou que “se alguém que assinou umas contas e diz que as contas não eram o que eram está naturalmente a cair num campo muito pantanoso”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
“Tiros nos pés” e “campo pantanoso”, os avisos de Carlos Costa a Vítor Bento