empréstimos

Travões do Banco de Portugal não impediram mais crédito em julho

Fotografia: REUTERS/Jason Reed
Fotografia: REUTERS/Jason Reed

O total dos empréstimos concedidos às famílias aumentou no primeiro mês em que as regras do Banco de Portugal estiveram em vigor.

Os bancos portugueses continuaram a acelerar na concessão de crédito em julho, apesar de nesse mês ter entrado em vigor a recomendação do Banco de Portugal para se estabelecerem limites no financiamento às famílias. Entre crédito à habitação e ao consumo, o stock de crédito subiu 133 milhões de euros no mês passado para mais de 124 mil milhões de euros, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo supervisor bancário.

Foi o segundo mês do ano em que o crédito mais subiu. Em março, o stock de crédito às famílias tinha crescido 157 milhões. O aumento verificado deve-se maioritariamente ao financiamento para o consumo. A quantidade de empréstimos neste segmento aumentou 144 milhões de euros. Os bancos portugueses têm um total de 25,9 mil milhões de euros concedidos em crédito ao consumo.

Já na habitação o valor das amortizações continua a ser superior ao dos novos empréstimos. Mas por pouco, já que o stock desceu apenas 11 milhões de euros. Os portugueses devem um total de 98,1 mil milhões de euros relativos a empréstimos para compra de casa. Apesar da descida do valor total, as novas operações de crédito à habitação têm acelerado nos últimos meses. Um dos motivos que levaram o Banco de Portugal a recomendar às instituições financeiras que respeitem determinados limites quando dão crédito.

Essas regras incidem tanto sobre os empréstimos à habitação como ao consumo. Impõe que seja calculada a taxa de esforço de quem pede o crédito e que a despesa que se tem para pagar as prestações não ultrapasse 50% do rendimento. O Banco de Portugal quer também limitar os prazos a que os empréstimos são concedidos (40 anos na habitação e 10 anos nos contratos ao consumo). No crédito à habitação o supervisor definiu também que o empréstimo não deve exceder 90% do valor do imóvel dado em garantia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Travões do Banco de Portugal não impediram mais crédito em julho