BPI

Ulrich satisfeito com saída da gestão. “Elas não matam mas moem”

Fernando Ulrich, CEO do BPI
Fernando Ulrich, CEO do BPI

Fernando Ulrich vai assumir funções como presidente do conselho de administração do banco

Fernando Ulrich, o ainda presidente do BPI e que assumirá funções de presidente do conselho de administração do banco, comentou esta quinta-feira, na apresentação dos resultados trimestrais do banco, que está “muito satisfeito” com a saída de funções executivas.

Ulrich esteve 13 anos na gestão do BPI e passa a pasta a Pablo Forero, que assumirá a liderança do banco assim que o BCE der luz verde à nova comissão executiva, no seguimento do sucesso da OPA do catalão Caixabank. Para Ulrich, a transição será tranquila, mesmo que demore algumas semanas. “Não é por este processo ser demorado que se vai perder valor no BPI”, garantiu.

“Até gostava de poder dizer que há uma grande preocupação para fazer pressão sobre o supervisor mas não posso”, brincou, dizendo que os contactos estão a decorrer com o Banco de Portugal dentro dos trâmites normais destes processos.

Fernando Ulrich já tinha dito durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados que “não estou aqui para dificultar o trabalho a ninguém” e, quando questionado pelos jornalistas sobre se ainda seria ele a apresentar os resultados semestrais, aproveitou para esclarecer que não terá dificuldades em sair de funções executivas.

“Estão redondamente enganados sobre o que dizem que vou ter dificuldade em deixar a gestão executiva. Tenho 65 anos, era suposto deixar de ter tido funções executivas aos 62. Era a minha expectativa”, explica. “Comecei a trabalhar com 20 anos, já trabalho há quase 45 anos. Elas não matam mas moem”, acrescentou.

“Estou muito satisfeito com esta situação, estou muito tranquilo, preenchi no meu documento para a aprovação que trabalharei exclusivo no BPI, não tenho mais nenhum cargo em nada, nem sequer em empresas participadas do BPI. Serei só presidente do conselho de administração do BPI e é a isso que tenciono dedicar todo o meu dia”.

Ulrich garantiu ainda que durante a função de presidente-executivo “beneficiei imenso de ter coimo chairman Artur Santos Silva, que nunca em momento algum me criou nenhuma dificuldade. Foi um enorme apoio que tive ao longo dos últimos anos.”

Para Fernando Ulrich, “há um papel muito importante” na função de chairman, que é “ter um ombro onde chorar quando era preciso ou uma cabeça onde ir buscar essa massa cinzenta quando era preciso pensar”. O gestor garantiu que será um estilo semelhante que aplicará nesta nova fase. “Se tive esta educação a última coisa que irei fazer é intrometer-me ou parecer que tenho pena de não ser executivo. É que não tenho mesmo”, concluiu.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Ulrich satisfeito com saída da gestão. “Elas não matam mas moem”