cpi cgd

Vara diz que não apresentou “proposta formal” de Vale do Lobo

O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Armando Vara, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA
O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Armando Vara, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

O antigo diretor de empresas da área Sul da CGD disse que dossiê de Vale do Lobo já lhe chegou preparado por Armando Vara.

Armando Vara admite que encaminhou o projeto de financiamento a Vale do Lobo para a área competente da Caixa Geral de Depósitos. Mas rejeitou que tenha sido ele a apresentar a proposta formal para se realizar essa operação.

O antigo diretor de empresas Sul do banco público, Alexandre Santos tinha dito na comissão de inquérito à CGD, em abril, que os dossiers para essa operação lhe tinham chegado “já preparados” por Armando Vara. Salientou, na altura, que foi a única vez em que um projeto de financiamento lhe tinha chegado diretamente de um administrador. Detalhou que a proposta chegou por email e contrariou o depoimento que Vara fez há dois anos no Parlamento.

Mas esta sexta-feira, o antigo administrador da CGD afirmou aos deputados que tinha “a convicção de que a proposta deu entrada em Faro”. Argumentou que “uma coisa é o documento, o que quer que seja. Mas a empresa tem de ter apresentado a proposta formal ou em Lisboa ou Faro”. Vara disse que a empresa responsável por Vale do Lobo “não apresentou propostas de financiamento ao administrador”. Mas admitiu que lhe “apresentou um projeto que encaminhei para a área competente”.

Na intervenção inicial, Vara tinha dito que não falaria desse caso por ser arguido na Operação Marquês. Mas acabaria por responder a algumas questões da deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, e do CDS, Cecília Meireles. Vara está indiciado por corrupção passiva por suspeita de ter recebido um milhão de euros para favorecer o empreendimento de Vale do Lobo.

Armando Vara garante que a operação de Vale do Lobo “só recebeu elogios” na CGD. “Era um projeto que poderia ter ido para outros e eu fui um dos entusiastas. E é difícil pensar que nas mesmas condições não teria feito o mesmo”, disse. Desabafou que era com “dor” que via “o que aconteceu àquele projeto”.

O antigo administrador da Caixa pediu que se fizesse um “apanhado rigoroso” do resultado da operação de Vale do Lobo. Diz que se está sempre a falar de buracos, mas defende que a CGD recuperou o dinheiro dessa operação. O banco público vendeu os créditos sobre Vale do Lobo no início de 2018 por 221 milhões de euros. Vara diz que a CGD fez bem em vender mas que ele conseguiria ter “feito melhor”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
avião da TAP em Faro

TAP. Azul cede e nacionalização evitada durante a madrugada

tap lay-off

Plano para salvar a TAP sem nacionalizar custava mais que 4 meses de lay-off

Fotografia: D.R.

Supers voltam a reajustar horários das lojas na Grande Lisboa

Vara diz que não apresentou “proposta formal” de Vale do Lobo