Novo Banco

Concluída venda do Novo Banco à Lone Star

Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens
Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens

O Novo Banco deixa de ser um banco de transição e passa a ser um banco privado detido em 75% pela norte-americana Lone Star.

A partir desta quarta-feira o Novo Banco passa a ser um banco privado detido em 75% pela norte-americana Lone Star, após a conclusão da venda do banco ‘bom’ que resultou da resolução do Banco Espírito Santo em 2014.

A entrada da Lone Star concretiza-se com um reforço do capital do Novo Banco em 750 milhões de euros. Até ao final deste ano a norte-americana injecta mais 250 milhões de euros na instituição.

O Fundo de Resolução mantém uma posição de 25% no Novo Banco.

O contrato de venda do Novo Banco foi assinado pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, o representante do Fundo de Resolução, Máximo dos Santos e o diretor-geral da Lone Star, Donald Quintin

“Hoje, o Novo Banco é uma instituição sólida e bem capitalizada, posicionada para apoiar os seus clientes e ajudá-los a atingirem os seus objetivos”, afirmou Donald Quintin, na cerimónia de assinatura do contrato que teve lugar na sede do Banco de Portugal.

“A conclusão desta operação é um marco para o sistema financeiro português”, disse o governador do Banco de Portugal no mesmo evento, frisando que a economia portuguesa também vai beneficiar com esta operação.

A conclusão da operação foi executada via aumento de capital do Novo Banco, através de entradas em dinheiro no valor de 750 milhões de euros, subscrito pela Nani Holdings, da Lone Star.

O capital social do Novo Banco passou a ser de 5.650 milhões de euros, representado por 9.799.999.996 ações escriturais, nominativas, sem valor nominal, detido em 75% pela Nani Holdings, e em 25% pelo Fundo de Resolução, informou o Novo Banco através de um comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Inspeção Geral das Finanças tem inquérito a decorrer.

IGF detetou ilegalidades de 1900 milhões de euros em 2016

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Acionistas da dona do Meo apresentam queixa por “informação falsa ou enganosa”

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

OE2018: Aprovado aumento extraordinário de 6 ou 10 euros nas pensões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Concluída venda do Novo Banco à Lone Star