banca

Venezuela impedida de tirar 400 milhões do Novo Banco

António Ramalho é o CEO do Novo Banco. (TIAGO PETINGA/LUSA)
António Ramalho é o CEO do Novo Banco. (TIAGO PETINGA/LUSA)

Contas estão congeladas desde fevereiro, altura do agravamento da crise na Venezuela.

Uma providência cautelar da Petróleos de Venezuela (PDVSA) contra o Novo Banco, com o objetivo de desbloquear ordens de pagamento de cerca de 400 milhões de euros, congeladas desde fevereiro, foi rejeitada pelo Tribunal da Relação de Lisboa, indica o Jornal de Negócios.

O montante está congelado desde fevereiro, altura do agravamento da crise na Venezuela. O banco liderado por António Ramalho argumentava ainda que a documentação era insuficiente ou sofria de “falta de credibilidade”.

A petrolífera estatal da Venezuela recorreu para a justiça portuguesa com o objetivo de tentar desbloquear as ordens de pagamento, contudo o Tribunal da Relação rejeitou o pedido e disse que a empresa tem de esperar pelo resultado da ação principal para desbloquear a verbas, argumentando que as ordens de pagamento não são reversíveis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Venezuela impedida de tirar 400 milhões do Novo Banco