banca

Venezuela impedida de tirar 400 milhões do Novo Banco

O CEO do Novo Banco, Antonio Ramalho. (TIAGO PETINGA/LUSA)
O CEO do Novo Banco, Antonio Ramalho. (TIAGO PETINGA/LUSA)

Contas estão congeladas desde fevereiro, altura do agravamento da crise na Venezuela.

Uma providência cautelar da Petróleos de Venezuela (PDVSA) contra o Novo Banco, com o objetivo de desbloquear ordens de pagamento de cerca de 400 milhões de euros, congeladas desde fevereiro, foi rejeitada pelo Tribunal da Relação de Lisboa, indica o Jornal de Negócios.

O montante está congelado desde fevereiro, altura do agravamento da crise na Venezuela. O banco liderado por António Ramalho argumentava ainda que a documentação era insuficiente ou sofria de “falta de credibilidade”.

A petrolífera estatal da Venezuela recorreu para a justiça portuguesa com o objetivo de tentar desbloquear as ordens de pagamento, contudo o Tribunal da Relação rejeitou o pedido e disse que a empresa tem de esperar pelo resultado da ação principal para desbloquear a verbas, argumentando que as ordens de pagamento não são reversíveis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Centeno adia esboço orçamental de 2020 até quarta de manhã

Outros conteúdos GMG
Venezuela impedida de tirar 400 milhões do Novo Banco