Bolsa

Bolsa nacional no verde em linha com as pares europeias

REUTERS/Henry Nicholls
REUTERS/Henry Nicholls

A bolsa de Lisboa está a ser animada pelos ganhos de títulos como o BCP, Galp e Jerónimo Martins.

A bolsa de Lisboa arrancou a primeira sessão da semana em alta, partilhando o sentimento com as principais praças do Velho Continente. O PSI-20 (principal índice), dez minutos depois do início da sessão, avançava 0,27% para os 5.166,80 pontos. Entre as cotadas da praça de Lisboa, destaque para as ações do BCP – que crescem 0,91% para 23,3 cêntimos – Galp Energia – que valorizam 0,51% para 14,75 euros – e Jerónimo Martins – que ganha 1% para 13,07 euros.

A evolução positiva que se verifica neste início de manhã na Europa está em linha com o comportamento das praças asiáticas. A bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, fechou a subir 5,6%, para 2.961,28 pontos, o que representa o valor mais elevado em oito meses, de acordo com a Lusa. No Japão, o Nikkei encerrou a sessão com uma valorização de 0,48% e o Topix cresceu 0,71%.

Este comportamento das bolsas tem lugar depois de o presidente do Estados Unidos, Donald Trump, ter anunciado um adiamento do aumento das taxas sobre importações chinesas. E apesar de haver a possibilidade de a saída do Reino Unido da União Europeia ser adiada para 2021.

Nota ainda para as matérias-primas. Os preços do petróleo estão em queda nos mercados internacionais, de acordo com a Bloomberg. O Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e que serve de referência para as importações nacionais, desce 0,24% para 66,96 dólares por barril. E o West Texas Intermediate, transacionado em Nova Iorque, recua 0,14% para 57,18 dólares por barril.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Bolsa nacional no verde em linha com as pares europeias