Brexit

O próximo centro financeiro da Europa pode ser… Nova Iorque

Foto: DR
Foto: DR

Bancos já começaram a dar sinais de que vão abandonar Londres depois do Brexit

Será uma das principais consequências do Brexit. A saída do Reino Unido da União Europeia, e a perda de acesso ao mercado único, poderá dar origem a um “êxodo” financeiro.

Muitos dos bancos com sede na capital britânica deverão querer relocalizar as operações na Europa. E enquanto outras grandes cidades do velho continente já se colocam em bicos de pés para substituir a City, alguns líderes do setor dão como garantido que o destino dos bancos que vão abandonar Londres está escolhido, e fica do outro lado do Atlântico.

Os executivos do setor citados pela Bloomberg asseguram que a nata do setor financeiro vai mudar-se para Nova Iorque, e enumeram uma lista de fatores que jogam a favor da “grande maçã”, como a dimensão e profundidade do mercado, o nível de experiência e o regime regulatório mais favorável aos bancos.

“Não existe na União Europeia nenhuma cidade com as infraestruturas ou com o regime regulatório suficiente para assumir o papel que Londres tem no mercado de capitais. Só existe uma cidade no mundo com essas capacidades e é Nova Iorque”, afirma John Nelson do Lloyds.

Opinião corroborada pelo CEO do Morgan Stanley. “Os grandes vencedores do Brexit serão Nova Iorque e os Estados Unidos”, anteviu o responsável numa conferência que teve lugar este mês em Washington.

Os especialistas acreditam que alguns bancos vão instalar unidades em cidades europeias, para cumprir as quotas regionais e garantir o acesso ao fuso horário do mercado europeu, mas a maior parte deverá optar pela maior cidade dos Estados Unidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

O próximo centro financeiro da Europa pode ser… Nova Iorque