Espanha

Abengoa perde mais de metade do seu valor e é excluída da bolsa

Empresa produziu 5,8 TWh de energia limpa entre janeiro e março deste ano

Comité Técnico do IBEX decidiu excluir as ações da empresa que deixam de estar cotadas a partir de amanhã. Fitch coloca rating à beira da insolvência

O Comité Assessor Técnico do IBEX decidiu excluir as ações B da Abengoa da principal bolsa espanhola com efeitos a partir de amanhã, dia 27 de novembro. A decisão surge depois da empresa espanhola, que poderá protagonizar a maior falência da história empresarial de Espanha, ter perdido mais de metade do seu valor no mercado de capitais.

Na reunião extraordinária que decorreu ontem, o Comité decidiu, “atendendo às circunstâncias especiais que aconteceram às ações”, excluir do principal índice espanhol as ações B da Abengoa, que ontem afundaram 54% para os 0,42 euros por ação. Já as ações A, que negoceiam no mercado contínuo, perderam 52% para os 0,545 euros.

As ações B abandonam o Ibex já a partir de amanhã e o Comité vai reunir no próximo dia 10 de dezembro no qual “decidirá e publicará, depois de analisar os dados disponíveis, as medidas que considere serem necessárias”.

Até lá, o Ibex-35 passará a ser composto, temporariamente, por 34 empresas cotadas.

Fitch corta rating

Como uma má notícia nunca vem só, a agência de notação financeira internacional Fitch decidiu cortar o rating da Abengoa de ‘B’ para ‘CC’, um nível considerado de elevada probabilidade de incumprimento e próximo da insolvência.

A Fitch justificou a decisão perante o anúncio de pedido de proteção de credores feito pela Abengoa, depois da espanhola Gonvarri ter voltado atrás na intenção de investir 350 milhões de euros na empresa de energia espanhola, com o objetivo de tentar negociar com os credores a reestruturação da sua elevada dívida. O pedido da Abengoa foi qualificado pela Fitch de “inesperado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A Loja das Conservas tem um restaurante para promover o consumo deste produto. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Turistas fazem disparar vendas de conservas portuguesas

Miguel Gil Mata,  presidente executivo, da Sonae Capital, nos estúdios da TSF.
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Sonae Capital: “Mercado imobiliário está muito aquecido. Há que ser cuidadoso”

Fotografia: DR

Elliott quer EDP nas renováveis. Mas tem forçado vendas nos EUA

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Abengoa perde mais de metade do seu valor e é excluída da bolsa