Bolsa de Tóquio

Ações da Nissan caem na bolsa de Tóquio após irregularidades em inspeções

www.turbo_.ptNissan-Leaf_30_kWh-2016-1-441c5bddddc9459e3c3f3419820c14adf4431811-25a72f41583b977673f45c8a3fb095eec45ee205

As ações da Nissan Motor caíram até 5,4% na bolsa de Tóquio, na sequência da suspensão da venda de novos veículos no Japão

As ações da Nissan Motor caíram esta sexta-feira até 5,4% na bolsa de Tóquio, na sequência da suspensão da venda de novos veículos no Japão, depois de a empresa ter admitido irregularidades nas inspeções de alguns modelos.

No intervalo a meio da sessão, as ações da Nissan tinham caído 3,05% e situavam-se em 1.080,5 ienes (8,13 euros), embora tenham chegado a cair até 5,4% durante a primeira sessão.

Na sexta-feira, a Nissan admitiu que alguns dos seus modelos passaram revisões de segurança nas instalações do fabricante no Japão por pessoal que não tinha as qualificações necessárias, o que constitui uma violação da normativa japonesa e poderá obrigar a uma chamada à revisão em massa.

O problema foi detetado pelo Ministério da Terra, Infraestrutura, Turismo e Transporte, durante várias inspeções nas fábricas, e afeta cerca de 60.000 veículos em fábricas e concessionários, à espera de serem comercializados, assim como milhares de automóveis que já tinham sido vendidos.

Entre os modelos afetados estão o Note, o Skyline ou o elétrico Leaf, todos eles fabricados em seis fábricas japonesas da Nissan, onde foram registadas irregularidades.

“Os veículos afetados serão inspecionados de novo e as matrículas vão ser retomadas assim que estejam concluídos os controlos”, disse a Nissan em comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lagarde centeno coronavirus

BCE. Portugal está amarrado aos bancos outra vez e isso é mau

Fotografia: Mário Cruz/EPA

Presidente da República acompanha preocupação sobre retoma de rotas da TAP

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Ações da Nissan caem na bolsa de Tóquio após irregularidades em inspeções