Airbnb com vida difícil em bolsa: primeiro dia do ano com queda de 9%

Ações da empresa que se estreou a valer 100 mil milhões nos EUA continuam em queda pronunciada após avaliações dos analistas.

Vários analistas sugeriram que a estreia da empresa em bolsa - a maior oferta pública inicial dos EUA em 2020, que pôs a avaliação do Airbnb acima dos 100 mil milhões - "deixa as ações com um mínimo de valorização no curto-prazo" e os efeitos foram imediatos. Em queda desde a estreia, os títulos do Airbnb voltaram hoje a cair, pressionados pelas avaliações, revela uma análise da XTB.

As ações cotavam ontem abaixo dos 140 euros, tendo hoje já recuperado alguma coisa (143 dólares) mas ainda abaixo da estreia (144,71) e longe dos mais de 163 dólares por ação que atingiu nos dias seguintes.

O "apetite por empresas de tecnologia baseada em aplicações" revelado na chegada do Airbnb ao mercado, há quase um mês, tem-se perdido, influenciado pelo passar do entusiasmo que pôs os preços em alta nos primeiros dias mas também - e sobretudo - pelas restrições às viagens, que susbsistem devido ao novo coronavírus, apesar de o arranque da vacinação trazer esperança de dias melhores.

Na sessão de ontem, as ações "voltaram a cair pronunciadamente", lê-se na interpretação feita pelos analistas da XTB, que refere que "de 19 analistas que iniciaram a cobertura das ações, 12 classificaram-nas como hold, seis como comprar e um disse que está acima do preço, de acordo com a FactSet".

"Os analistas que classificaram as ações como compra dizem que a empresa tem uma oferta e uma oportunidade únicas, pois as viagens continuam a ser afetadas pela pandemia provocada pelo coronavírus. No entanto, o Airbnb ainda está longe de ser uma empresa lucrativa e os principais riscos incluem regulamentação, competição, aumento dos custos de aquisição de clientes e recuperação mais fraca de viagens da pandemia", justificam os analistas de mercados, citando notas da Goldman Sachs.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de