Bolsa

Alibaba quer encaixar até 15 mil milhões de dólares com entrada em bolsa

EPA/ALEKSANDAR PLAVEVSKI
EPA/ALEKSANDAR PLAVEVSKI

A Alibaba pretendia entrar na bolsa em finais do mês de agosto, mas viu a operação ser adiada devido aos constantes protestos ocorridos em Hong Kong.

Depois de ver adiada a sua entrada na bolsa adiada devido à série de protestos em Hong Kong, a Alibaba prepara-se para avançar no final deste mês. A empresa chinesa de venda online pretende captar 15 mil milhões de dólares, cerca de 13,5 mil milhões de euros, indica a Bloomberg.

A Alibaba pretendia entrar na bolsa em finais do mês de agosto.

A agência noticiosa considera que esta Oferta Pública de Venda (OPV) poderá ajudar as finanças da empresa de Jack Ma numa altura em trava uma “guerra dispendiosa” de subsídios com a companhia de prestação de serviços Meituan Dianping.

A entrada na bolsa também ajudará a Alibaba a proteger-se no contexto da guerra comercial, defendem os analistas. Os Estados Unidos e a China continuam a avançar nas negociações com vista a alcançarem um acordo de primeira fase.

No entanto, embora as duas maiores potências mundiais estejam a dar passos em direção a uma trégua comercial, os deputados republicados dos Estados Unidos estão a tentar convencer o Congresso a aprovar medidas para que as empresas desinvistam na China.

Numa altura em que a economia chinesa desacelera – o PIB deverá subir menos de 6%, sendo o menos das últimas três décadas – a Alibaba tenta continuar a crescer. Na semana passada, o gigante tecnológico apresentou um aumento de 40% das suas receitas trimestrais, estas que devem continuar a crescer, devido sobretudo ao Singles’ Day (a Black Friday da China), que acontece na segunda-feira, 11 de novembro.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Alibaba quer encaixar até 15 mil milhões de dólares com entrada em bolsa