Análise

Analistas do BiG: Subida do rating pela Fitch em dezembro é “75% provável”

Foto: REUTERS/Benoit Tessier
Foto: REUTERS/Benoit Tessier

Segundo os analistas, "o sólido crescimento do PIB no segundo trimestre poderá subir ligeiramente a perspetiva da Fitch de crescimento"

Depois da Standard and Poor’s, será a Fitch a próxima agência de rating a rever a nota de Portugal. Os analistas do Banco BiG, no relatório de outlook para o quarto trimestre publicado esta quarta-feira, consideram que a retirada da dívida portuguesa do ‘lixo’ em dezembro é 75% provável.

Segundo os analistas, “o sólido crescimento do PIB no segundo trimestre poderá subir ligeiramente a perspetiva da Fitch de crescimento e assim traduzir-se no 4º cenário de rating upgrade “‘perspetivas de crescimento a longo prazo mais forte'”.

Caso o cenário se confirme, o BiG antecipa “um novo aumento significativo da base de investidores (…) o que permitirá a reentrada da dívida Portuguesa nos principais índices de Governos Internacionais”. Neste contexto, também o crescimento da economia deverá ficar “acima das expectativas da Fitch”, que apontou em junho para um crescimento do PIB de 2% em 2017.

O BiG relembra ainda que a Fitch foi a primeira agência de notação financeira a rever o outlook da dívida portuguesa de estável para positivo, em junho deste ano, e que “o impulso da avaliação moderadamente positiva emanou dos esforços bem sucedidos na consolidação fiscal, permitindo a saída do Procedimento por Défice Excessivo”.

Os analistas identificam como possível travão à revisão do rating uma “falha inesperada das negociações do Orçamento de Estado 2018”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Analistas do BiG: Subida do rating pela Fitch em dezembro é “75% provável”