Bitcoin sobe para um novo máximo histórico e supera os 35.000 dólares

A maior criptomoeda do mundo atingiu no máximo, depois de ter afundado no início da semana. O JPMorgan Chase prevê que a Bitcoin pode atingir os 146.000 dólares no longo prazo, à medida que rivaliza com o ouro.

A Bitcoin disparou para um novo máximo de sempre, esta quarta-feira, superando a barreira dos 35.000 dólares (cerca de 28.400 euros), depois de ter afundado no início desta semana.

A maior criptomoeda do mundo atingiu os 35.868 dólares. A Bitcoin quadruplicou o seu valor em 2020. Na segunda-feira, desceu 17%, registando a maior queda desde meados de março último.

"O facto de assistirmos ao preço tão mais estável deste cripto-ativo em comparação com a altura de 2017-2018 onde surgiram fortes correções após a Bitcoin ter atingido novos máximos históricos, acaba por refletir a confiança que os investidores têm no ativo", afirmou Henrique Tomé, analista da corretora XTB.

"Ora um dos fatores que tem vindo a manter o preço em alta é o facto de grande parte dos investidores terem optado por manter as suas posições no mercado em vez de as liquidarem, aliviando assim a pressão vendedora", adiantou.

Analistas têm apontado que a Bitcoin está a rivalizar com o ouro e a atrair investidores institucionais. Outros acreditam que a criptomoeda oferece uma proteção contra a fraqueza do dólar e o risco de inflação, numa altura em que os bancos centrais inundam o mundo com estímulos monetários e orçamentais.

"No entanto, deve-se notar que o domínio da Bitcoin no mercado dos cripto-ativos está a diminuir e esta diminuição está associada à recente procura por parte dos traders e investidores por outras criptomoedas (altcoins) que têm vindo a seguir fortes valorizações", frisou o mesmo analista.

O JPMorgan Chase prevê que a Bitcoin pode atingir os 146.000 dólares no longo prazo, à medida que concorre com o ouro.

A criptomoeda iniciou o ano de 2020 na casa dos 8.000 dólares e desceu abaixo dos 5.000 dólares em março. Desde então, a criptomoeda encetou uma tendência de subida e, no final de novembro, superou o seu máximo alcançado há três anos, acabando em seguida por ultrapassar o marco dos 20.000, pela primeira vez, no dia 16 de dezembro.

A ascenção da Bitcoin coincidiu com uma das maiores crises económicas de sempre, provocada pelas medidas adotadas pela maioria dos governos, no âmbito da epidemia do novo coronavírus.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de