Critpomoedas

Blockchain.O milagre da multiplicação em bolsa

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Está de volta uma euforia no mercado semelhante à das dotcom. Mas desta vez são as empresas que se colam às criptomoedas a faturar.

Há uma nova fórmula para puxar pelos ganhos dos acionistas. A febre das moedas digitais chegou às bolsas e, nas últimas semanas, bastou a algumas empresas adotarem o termo blockchain no seu nome ou revelarem que iriam lançar critpomoedas próprias para darem valorizações expressivas às suas ações. Uma tendência a fazer lembrar a bolha das tecnológicas, em que bastava colocar o “.com” no nome da empresa para ver as ações multiplicarem os ganhos.

E se primeiro foram empresas relativamente desconhecidas a abraçarem o admirável mundo novo das criptomoedas, começam a chegar cotadas mais antigas a tentar explorar o blockchain (o protocolo que permite validar as transações feitas nas criptomoedas) para aumentarem os ganhos.

É o caso da Eastman Kodak, que mais duplicou de valor ao anunciar que iria lançar a sua própria moeda virtual, a KodakCoin, como parte de uma estratégia para utilizar a tecnologia blockchain de forma a permitir aos fotógrafos saberem onde os seus trabalhos estão a ser utilizados. Depois de ter entrado em bancarrota, penalizada por não ter apanhado o barco da revolução digital na fotografia, a empresa é das primeiras a tentar tirar partidos das criptomoedas.

E esta febre parece estar a chegar aos setores mais improváveis. Em dezembro, a Nova Lifestyle lançou uma subsidiária chamada I Design Blockchain Technology. Após o anúncio, as ações da empresa subiram 47%, segundo a imprensa americana. Outro exemplo foi a empresa de bebidas Long Island Ice Tea que passou a Long Blockchain. A empresa vai continuar a produzir chás gelados mas disse que iria focar-se no desenvolvimento de oportunidades no blockchain. As ações chegaram a disparar 290%. Também a Chanticleer Holdings, uma cadeia de restaurantes, lançou a sua própria moeda virtual, a Merit, que pode ser utilizada nas suas lojas. Após esse anúncio as ações subiram mais de 40%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Blockchain.O milagre da multiplicação em bolsa