Bolsa

Bolsa de Londres rejeita proposta de compra da praça de Hong Kong

O banco admite que o Reino Unido irá sair da União Europeia com um acordo e isso dará confiança aos investidores. Foto: D.R.
O banco admite que o Reino Unido irá sair da União Europeia com um acordo e isso dará confiança aos investidores. Foto: D.R.

A praça de Londres já reagiu à oferta de aquisição lançada por Hong Kong. A LSE "rejeitou a proposta" e "não vê mérito num futuro envolvimento".

A London Stock Exchange (LSE) rejeitou a proposta de aquisição lançada esta semana pela bolsa de Hong Kong. “A administração [da bolsa de Londres] rejeitou unanimemente a proposta condicional e, dadas as falhas fundamentais, não vê mérito num futuro envolvimento”, indica a LSE em comunicado citado pela CNBC.

No passado dia 11 de setembro, a bolsa de Hong Kong lançou uma oferta de compra sobre a praça londrina, oferecendo 26,6 mil milhões de libras (33,1 mil milhões de euros). Na altura, presidente-executivo da Hong Kong Exchanges and Clearing (HKEX), Charles Li, defendia que a operação iria ter como efeito “redefinir o mercado de capitais global nas próximas décadas”.

Em 2012, o operador da bolsa de Hong Kong já havia comprado a London Metal Exchange por 1,4 mil milhões de libras (1,57 mil milhões de euros). Para Charles Li, as duas empresas têm “grandes marcas, solidez financeira e um comprovado histórico de crescimento”.

“Juntos, ligaremos o Leste e o Oeste, seremos mais diversificados e poderemos oferecer aos clientes uma maior inovação, gestão de riscos e oportunidades de negociação”, salientou em comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Bolsa de Londres rejeita proposta de compra da praça de Hong Kong