Reforma da supervisão

Bolsa saúda congelamento do novo modelo de supervisão financeira

(Fábio Poço/Global Imagens)
(Fábio Poço/Global Imagens)

A presidente da Euronext Lisbon apontou que o modelo que estava a ser pensado implicava mais custos e mais entidades de supervisão.

O novo modelo de supervisão financeira apresentado pelo Governo não chegou a ver a luz do dia, tendo ficado para a próxima legislatura, e também não deixa saudades junto da Euronext nem das empresas cotadas.

Mais custos de supervisão e maior complexidade foram as críticas mais apontadas ao novo modelo, que não chegou a ser aprovado.

“O mercado não aguenta mais custos. As empresas cotadas não aguentam mais custos”, disse Abel Sequeira Ferreira, presidente da AEM-Associação de Empresas Emitentes de Valores Cotados em Mercado, num debate que decorreu esta segunda-feira na sede da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, no âmbito do arranque da Semana Mundial do Investidor.

A presidente da Euronext Lisbon, Isabel Ucha, apontou que o modelo que estava a ser pensado implicava mais custos e mais entidades de supervisão e uma maior complexidade, o que “deverá levar o próximo Governo e o próximo Parlamento a refletirem e a voltar a estudar alternativas de fazer evoluir o modelo de supervisão em Portugal”.

A nova moldura proposta para a supervisão financeira previa a criação de 18 novos cargos de topo, segundo o projeto de Lei entregue pelo Ministério de Mário Centeno no Parlamento.

O novo modelo de supervisão financeira iria criar mais duas entidades, implicando mais custos para as empresas do setor financeiro. Também iria diminuir a independência dos reguladores, considerou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários na apreciação do projeto de Lei.

O projeto de Lei criava duas novas entidades: a Autoridade de Resolução Administração de Sistemas de Garantia (ARSG) e o Sistema Nacional de Supervisão Financeira (SNFS) .

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Bolsa saúda congelamento do novo modelo de supervisão financeira