Mercados

Bolsas europeias em alta à espera de novas medidas do BCE para relançar economia

Bolsas europeias subiram este ano

As principais bolsas europeias estavam esta quinta-feira em alta, à espera de novas medidas do Banco Central Europeu (BCE) para relançar a economia na sequência da reunião de política monetária.

Cerca das 08:55 em Lisboa, o EuroStoxx 600 avançava 0,25%, para 390,70 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt subiam 0,30%, 0,20% e 0,29%, bem como as de Madrid e Milão, que avançavam 0,05% e 0,46%, respetivamente.

Depois de ter aberto em alta, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 08:55, o principal índice, o PSI20, avançava 0,16%, para 4.997,67 pontos.

Seis semanas após ter sugerido uma panóplia de medidas de estímulo, o BCE é forçado a agir hoje, apesar dos debates internos, já que o contexto económico continua febril, referem analistas citados pela AFP.

O presidente do BCE, Mario Draghi, participa pela penúltima vez na reunião de política monetária – a última será em 24 de outubro – antes de passar o cargo no final do mês à francesa Christine Lagarde, depois de oito anos de mandato marcado por crises.

Os investidores também estão atentos às negociações comerciais entre Washington e Pequim, que alegadamente estarão a avançar.

Na quarta-feira, Wall Street terminou em alta, com o Dow Jones a avançar 0,85%, para 27.137,04 pontos, contra o atual máximo desde que foi criado em 1896, de 27.359,16 pontos, registado em 15 de julho.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a subir 1,06%, para 8.169,68 pontos, contra o atual máximo, de 8.330,21 pontos, registado em 26 de julho.

A nível cambial, o euro abriu hoje em alta no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,1018 dólares, contra 1,1007 dólares na quarta-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em novembro abriu hoje em alta, a cotar-se a 61,16 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 0,35 dólares do que no fim da sessão anterior.

O barril de petróleo Brent esteve acima dos 85 dólares no início de outubro do ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Bolsas europeias em alta à espera de novas medidas do BCE para relançar economia