Bolsas europeias em alta à espera do relatório do emprego nos EUA

A bolsa de Lisboa segue a tendência das praças da Europa. O principal índice, o PSI20, sobe 0,17%.

As principais bolsas europeias abriram esta sexta-feira em alta, à espera do relatório oficial do emprego nos Estados Unidos em junho, que, segundo analistas, poderá apontar para uma "aceleração notável".

Cerca das 8:50 em Lisboa, o EuroStoxx 600 avançava 0,56% para 458,19 pontos. As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt subiam 0,47%, 0,31% e 0,58%, bem como as de Madrid e Milão, que se valorizavam 0,19% e 0,29%.

Depois de abrir em alta, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 8:50, o principal índice, o PSI20, avançava 0,17% para 5.116,28 pontos.

Analistas citados pela agência Efe referem que uma melhoria notável do emprego nos EUA em junho pode pressionar a Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) a restringir a política monetária, numa altura em que a inflação continua a acelerar fortemente.

Contudo, na quinta-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI), que reviu em alta as previsões de crescimento económico dos Estados Unidos para 7% este ano, não considerou "transitórias" as recentes subidas de preços.

A outra referência chave de hoje para os mercados é a reunião da OPEP+ (Organização de Países Exportadores de Petróleo e 10 aliados liderados pela Rússia) sobre um novo aumento da produção, tendo como pano de fundo a recuperação económica e a subida dos preços do 'ouro negro'.

Na quinta-feira, a reunião foi prolongada para hoje devido à falta de consenso entre o grupo dos 23 países.

Se o crescimento da procura tinha motivado os últimos aumentos da produção, agora é também o nível de preços que deve orientar a decisão do clube de produtores, cuja estratégia iniciada em abril de 2020 em resposta à pandemia de covid-19 permitiu travar a queda dos preços, com milhões de barris retirados do mercado.

Os 13 membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus dez aliados, através do acordo OPEP+, decidiram na altura cortar a produção de petróleo para corrigir os preços que tinham mergulhado no abismo devido à quebra na procura.

Os investidores também continuam cautelosos com o aumento da variante Delta do novo coronavírus, que para a travar já provocou a imposição de novos confinamentos em alguns países.

Analistas citados pela Efe referem que os investidores vão manter-se atentos ao ritmo de vacinação e à expansão de novas variantes do novo coronavírus.

A bolsa de Nova Iorque terminou em alta na quinta-feira, com o Dow Jones a subir 0,38% para 34.633,53 pontos, contra o atual máximo de sempre desde que foi criado em 1896, de 34.777,76 pontos, registado em 07 de maio.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a valorizar-se 0,13% para 14.522,38 pontos, contra o máximo de 14.528,34 pontos registado em 29 de junho.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,1827 dólares, contra 1,1849 dólares na quinta-feira e o atual máximo desde maio de 2018, de 1,2300 dólares, em 05 de janeiro.

O barril de petróleo Brent para entrega em setembro abriu também em baixa no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, a cotar-se a 75,63 dólares, contra 75,84 dólares na quinta-feira, um máximo desde pelo menos o início de 2018.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de