Mercados financeiros

Bolsas europeias em alta na última sessão da semana

REUTERS/Henry Nicholls
REUTERS/Henry Nicholls

A bolsa de Lisboa está a valorizar mais de 0,50%, partilhando assim o sentimento positivo da maioria das congéneres europeias.

A bolsa de Lisboa arrancou a sessão desta sexta-feira em terreno positivo, estando às 8:50 a subir 0,61% para os 5.088,98 pontos. Destaque na praça nacional para os pesos-pesados BCP, que ganha 0,76% para 25,25 cêntimos, a EDP valoriza 1,01% para 3,296 euros, a EDP Renováveis aprecia 0,46% para 8,81 euros e a Galp Energia cresce 0,75% para 14,07 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo estão em alta nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, referência para as importações nacionais, negoceia nos 68,34 dólares por barril.

Ainda na bolsa nacional, a Jerónimo Martins (dona dos supermercados Pingo Doce) valoriza 0,97% para 13,545 euros e a Sonae (dona dos supermercados Continente) ganha 1,30% para 0,8975 euros.

Entre as restantes praças europeias, a tónica é também sobretudo positiva. Em Paris, o CAC40 aprecia 0,62%, em Londres o Footsie100 valoriza 0,56% e em Frankfurt, o DAX sobe 0,63%.

Esta evolução dos mercados acionistas tem lugar numa altura em que os investidores manifestam receios de que as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo – Estados Unidos e China – prejudiquem o crescimento económico mundial. Komal Sri-Kumar, fundador e presidente da Sri-Kumar Global Strategies, em declarações à Bloomberg indicou que “a guerra comercial vai provocar um abrandamento do crescimento, tanto nos EUA como na China e, consequentemente, mundialmente – não há dúvidas quanto a isso”.

Já depois do fecho das bolsas nos Estados Unidos, Donald Trump indicou que o destino da chinesa Huawei pode ser discutido no contexto das relações comerciais com Pequim.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa visita casas em construção. Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

Entrevista a Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.
(Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Luís Araújo: “A nossa maior concorrência não é um país. É o medo”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Bolsas europeias em alta na última sessão da semana