Bolsa

Bolsas europeias em baixa novamente pendentes do Brexit e de Itália

Fotografia: Reuters
Fotografia: Reuters

Os investidores estão atentos às negociações do 'Brexit' e à nova recusa de Bruxelas do orçamento italiano.

Cerca das 09:10 em Lisboa, o EuroStoxx 600 estava a cair 0,65% para 352,75 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt desciam 0,73%, 0,82% e 0,65%, respetivamente, bem como as de Madrid e Milão, que recuavam 0,73% e 0,91%.

Depois de ter aberto em baixa, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 09:10, o principal índice, o PSI20, recuava 0,62% para 4.829,69 pontos.

Além do ‘Brexit’ e das fricções entre Itália e a Comissão Europeia, a semana vai ser marcada pelo feriado de hoje do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos e pela “Black Friday” na sexta-feira, dia em que o consumo privado dispara em todo o mundo.

Em Nova Iorque, a bolsa de Wall Street terminou em alta ligeira na quarta-feira, com o Dow Jones quase inalterado a cair para 24.464,69 pontos, depois de ter subido em 03 de outubro, para 26.828,39 pontos, atual máximo desde que foi criado em 1896.

O Nasdaq fechou a subir 0,92% para 6.972,25 pontos, depois de ter avançado até aos 8.109,69 pontos em 29 de agosto, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu em alta no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,1405 dólares, contra 1,1393 dólares na quarta-feira e depois de ter descido para mínimos desde junho de 2017 no início da semana passada.

O barril de petróleo Brent para entrega em janeiro abriu hoje em baixa, a cotar-se a 63,21 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, menos 0,26% do que no encerramento da sessão anterior e depois de ter estado acima dos 85 dólares no início de outubro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Bolsas europeias em baixa novamente pendentes do Brexit e de Itália