Mercados financeiros

Bolsas europeias em queda pressionadas pelos emergentes e à espera dos EUA

Bolsas
Bolsas

As bolsas europeias estão a negociar sobretudo em queda influenciadas pela situação nos países emergente e a aguardar pela decisão dos EUA.

As bolsas europeias estão hoje de manhã a negociar maioritariamente no vermelho, à exceção de Paris, influenciadas pela situação nos países emergente e a aguardar pela decisão dos Estados Unidos sobre as novas tarifas a aplicar às exportações chinesas.

Pelas 08:14 (hora de Lisboa), o Euro Stoxx 600 caía 0,59% para 373,47 pontos, com Londres a recuar 0,87%, Paris a subir 0,24%, Frankfurt a descer 0,71%, Madrid a perder 1%, Milão a baixar 0,27%, Atenas a deslizar 0,26% e Lisboa a cair 0,06%.

Os analistas internacionais afirmaram que os investidores estão à espera da decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre as novas tarifas alfandegárias a aplicar à China e que estão apreensivos em relação à situação nos países emergentes, num dia em que será conhecido o relatório sobre o emprego nos Estados Unidos.

O euro, por se turno, depreciava-se hoje de manhã no mercado de divisas de Frankfurt ao transacionar-se a 1,1624 dólares, contra 1,1633 dólares do dia anterior.

Já o barril de Brent para entrega em novembro abriu hoje em baixa no mercado de futuros de Londres a cotar-se nos 76,44 dólares, menos 0,07 % que no fecho de quinta-feira.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Samsung Fold

Samsung lança o smartphone dobrável Fold por 2 mil euros

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Bolsas europeias em queda pressionadas pelos emergentes e à espera dos EUA