banca

CaixaBank vai retirar o BPI de bolsa

O BPI é controlado pelo grupo espanhol CaixaBank. Fotografia: D.R.
O BPI é controlado pelo grupo espanhol CaixaBank. Fotografia: D.R.

O CaixaBank acordou a compra da posição de 8,425% que o grupo Allianz detém no Banco BPI por 178 milhões de euros e vai retirar o BPI de bolsa.

O CaixaBank acordou comprar a posição de 8,425% que o grupo Allianz detém no Banco BPI, por 178 milhões de euros, e vai avançar com um pedido para retirar o BPI de bolsa.

Com a compra da posição da Allianz, o CaixaBank passa a deter 92,935% do BPI e vai investir mais 149,2 milhões de euros para ficar com a totalidade do capital. No total, o banco espanhol vai investir 327,3 milhões de euros para deter 100% do BPI.

O valor de compra da posição da Allianz corresponde a 1,45 euros por ação. O BPI fechou a sessão de sexta-feira a valer 1,182 euros por ação.

“Assim que o Banco BPI deixe de ser uma sociedade aberta após a aprovação da CMVM, o CaixaBank pretende proceder à aquisição potestativa das restantes acções ao mesmo preço de 1,45 euros por acção”, refere um comunicado do CaixaBank divulgado pelo BPI este domingo na página da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

“O preço de 1,45 euros por acção representa um prémio de 22,67% relativamente à última cotação de fecho do Banco BPI e um prémio de 22,16% relativamente ao preço médio ponderado dos últimos seis meses”, adianta.

O CaixaBank passou a controlar 84,52% do BPI em fevereiro de 2017, após a concluir com sucesso uma Oferta Pública de Aquisição sobre o banco, num investimento de 664,5 milhões de euros. Na altura, cada ação do BPI foi comprada por 1,134 euros. Na sequência da conclusão da Oferta, o BPI foi excluído do principal índice de ações português, o PSI-20, a partir de 10 de fevereiro de 2017.

A tomada de controlo do BPI não foi fácil. A oferta para comprar o banco foi inicialmente lançada em abril de 2016 e sofreu alguns percalços. O CaixaBank, que detinha 45% do BPI, enfrentou a oposição da Santoro, holding de Isabel dos Santos, que tinha 18,5% do banco.

O BPI passou o controlo do Banco Fomento de Angola para a empresária angolana e a desblindagem dos estatutos do BPI, necessária para o avanço da OPA, foi aprovada.

BPI mantém posição na Allianz Portugal

O CaixaBank e a Allianz acordaram ainda “propor aos órgãos sociais do Banco BPI e da Allianz Portugal, respectivamente, a reorganização da aliança de seguros em Portugal no sentido de reforçar e aprofundar a relação comercial de longo prazo entre o Banco BPI e a Allianz Portugal relativa à distribuição de produtos de seguro não vida durante os próximos dez anos”.

O BPI continuará a distribuir os produtos de seguro vida da Allianz Portugal até ao final do ano de 2019. “A partir de 2020, espera-se que o Banco BPI comece a distribuir produtos de seguro vida do BPI Vida e Pensões”, refere o CaixaBank no mesmo comunicado.

“Em qualquer caso, os contratos de seguros vida subscritos por clientes do Banco BPI com a Allianz Portugal continuarão em vigor nos seus termos. O Banco BPI continuará a deter uma participação de 35% na Allianz Portugal”, conclui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República, em Lisboa, 10 de maio de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Joe Berardo: “Tenho servido de bode expiatório”

Carlos Costa. Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

BdP vai divulgar relatório dos grandes devedores mas incompleto

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Centeno assegura clarificação das dúvidas do BCE

Outros conteúdos GMG
CaixaBank vai retirar o BPI de bolsa