dividendos

Cotadas europeias vão pagar 359 mil milhões em dividendos em 2020

2. Os lucros da empresa empregadora dispararam mas o seu salário não se alterou

A Allianz GI estima que as cotadas europeias vão pagar dividendos recorde em 2020.

As empresas europeias cotadas em Bolsa deverão pagar este ano cerca de 359 mil milhões de euros em dividendos aos seus acionistas, pulverizando o valor recorde pago em 2019.

Segundo o último estudo da Allianz Global Investors, uma das principais gestoras de investimentos do mundo, o montante que será pago em dividendos em 2020 pelas empresas europeias supera em 12 mil milhões de euros, os dividendos distribuídos no ano passado. Trata-se de um aumento de 3,6% no montante de dividendos pagos aos acionistas.

“As empresas europeias provaram em repetidas ocasiões ser particularmente favoráveis aos dividendos em comparação com o resto das empresas internacionais. O seu rendimento por dividendo foi, em média, de cerca de 3,7% em todo o mercado. Pelo contrário, 60% obrigações governamentais da zona euro têm um rendimento nominal negativo”, refere a Allianz GI num comunicado divulgado esta terça-feira.

Adianta que, segundo mesmo estudo, os dividendos “contribuíram com cerca de 38% para o rendimento total das ações europeias desde 1974” na Europa.

Em 2019, as empresas cotadas em Lisboa pagaram um total de 2,45 mil milhões de euros em dividendos. A EDP é a cotada que paga mais dividendos – 695 milhões de euros – e distribui 134% do resultado líquido. A Galp Energia pagou 522 milhões, distribuindo 74% dos lucros. No conjunto das cotadas, duas distribuem mais do que os lucros obtidos e oito mais de metade dos lucros.

Portugal ocupa a quinta posição no ranking mundial em termos de rendimento de dividendo (dividend yields), segundo o estudo da Allianz GI, sendo apenas superado pela Espanha, em quarto lugar, pela Noruega, em terceiro, Reino Unido e Rússia.

Atualizada às 13H40 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Joao Silva/ Global Imagens)

Preço das casas aumentou 1,7% em novembro

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI. Fotografia: EPA/MICHAEL REYNOLDS

FMI corta crescimento dos maiores parceiros de Portugal: Espanha e Alemanha

Isabel dos Santos  EPA/TIAGO PETINGA

Isabel dos Santos: Angola escolheu um caminho em que “todos vão ficar a perder”

Cotadas europeias vão pagar 359 mil milhões em dividendos em 2020