Resultados

Receios dos investidores afundam ações dos CTT em mais de 21%

Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Ao todo, trocaram hoje de mãos mais de 11 milhões de ações

Foi um dia de Todos os Santos pintado de negro para os CTT. A empresa liderada por Francisco Lacerda viveu esta quarta-feira a pior sessão bolsista da sua história, ao tombar 21,68% para os 3,96 euros, um mínimo histórico.

Na sessão de ontem, 31 de outubro, cada título dos Correios valia mais de cinco euros. Desde o início do ano as ações já afundaram perto de 40%.

Ao todo, trocaram hoje de mãos mais de 11 milhões de ações, algo pouco habitual numa sessão em que, por ser feriado, a liquidez é fraca. A última vez que a troca de ações dos CTT ultrapassou a fasquia do milhão de títulos foi a 27 de setembro. Desde então, a negociação diária oscilava entre as 300 mil e as 800 mil ações trocadas.

A “sangria” teve lugar no dia seguinte à apresentação dos resultados dos CTT nos primeiros nove meses de 2017, que ficaram abaixo das expectativas.

Os lucros caíram 57,6% para 19,5 milhões de euros, com a empresa a justificar os ganhos abaixo do esperado com a perda das receitas da Altice, a queda acentuada do tráfego de correio e com “os gastos associados ao processo de ajustamento das redes ao crescimento acelerado do Banco CTT e do negócio de Expresso e Encomendas”.

Face aos resultados, os CTT reduziram as estimativas para os próximos trimestres, tendo cortado em 20% o “guidance” inicial de EBITDA indicado para 2017.

Face à “pressão relevante” sobre o EBITDA consolidado para este ano, os CTT estão a trabalhar em “medidas de reajuste da capacidade instalada às reais necessidades operacionais que permitam uma redução relevante de gastos a serem apresentadas até ao final do ano”.

A evolução do EBITDA levou ainda a gestão a propor aos acionistas um dividendo de 0,38 euros por ação em 2017, a pagar no próximo ano, menos 0,10 euros face ao ano passado.

Segundo os analistas do Haitong, os resultados dos CTT foram “obviamente muito negativos”. Numa nota de análise publicada após a divulgação das contas, o banco de investimento sublinha já não se sentir “confortável” com a classificação para “comprar” os títulos dos CTT.

“Vemos que existe um claro problema do lado dos custos dos CTT e não temos a certeza de que a administração será capaz de resolver as coisas num período de tempo razoável”, destaca o Haitong.

A empresa vai realizar esta quinta-feira uma “conference call” com analistas para explicar os resultados.

A hecatombe dos CTT fez com que a bolsa portuguesa destoasse das congéneres europeias na sessão de 1 de novembro. O PSI20 fechou a perder 0,68%, num dia em que a Europa negociou em alta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Fábio Poço/Global Imagens)

Alojamento Local. Há 11 desistências por dia desde que nova lei entrou em vigor

Fotografia: Regis Duvignau / Reuters

Clandestinidade preocupa sindicato da construção

Fotografia: REUTERS/Juan Medina

Extensão do prazo da OPA ao Dia faz parar operações de venda do grupo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Receios dos investidores afundam ações dos CTT em mais de 21%