TechShare

De Carcavelos para o toque do sino. Euronext treina empresas para a bolsa

O TechhShare é um programa da Euronext para treinar tecnológicas com potencial de ir para a bolsa.
O TechhShare é um programa da Euronext para treinar tecnológicas com potencial de ir para a bolsa.

Euronext reúne na Nova SBE mais de cem tecnológicas com potencial para irem para bolsa. Nove são portuguesas.

Do campus da Nova SBE em Carcavelos para as salas de negociação em bolsa. A Euronext, que gere as bolsas de Lisboa, Paris, Bruxelas e Amesterdão, trouxe para Portugal o campo de treino de tecnológicas com potencial de cotarem nos mercados de capitais. Ontem, e durante este sábado, a operadora de bolsa reúne mais de cem empresas tecnológicas no primeiro campus da TechShare em Portugal.

Nove das empresas são portuguesas. As potenciais candidatas nacionais a ir para bolsa são a Innowave, Crioestaminal, Heptasense, PIC Advanced, Sensei, Videobserver, Viva Superstars, Void Software e a Wine With Spirit. É o maior contingente português de todas as edições do TechShare, o programa da Euronext para mostrar às tecnológicas europeias quais os desafios e as potenciais vantagens de ir para bolsa. Aliás, a atual edição deste ano do TechShare é a mais concorrida de sempre.

“Temos nove empresas [portuguesas] presentes o que é um sucesso e prova que o ecossistema tecnológico em Portugal está a crescer de forma progressiva”, diz, ao Dinheiro Vivo, Anthony Attia.

Com a edição deste ano, são já 23 as tecnológicas portuguesas que passaram por programas TechShare. No entanto, nenhuma delas deu ainda o passo de ir para a bolsa. “Ao ecossistema português falta ainda financiamento em estágio inicial para ajudar as startups a atingir a maturidade e a crescer de forma significativa de forma a considerarem seriamente uma OPV [Oferta Pública de Venda]”, explica.

O responsável da Euronext reconhece que é difícil prever qual o número de empresas que passaram pela TechShare que darão o passo da ida para a bolsa. Mas realça que “com 23 participantes de Portugal poderemos esperar algumas entradas nos próximos anos”.

A nível global, o TechShare teve cerca de 145 empresas participantes nas três últimas edições. Dessas, apenas quatro entraram em bolsa. Anthony Attia adianta que nestes programas são selecionadas pela Euronext “potenciais candidatas a uma OPV num horizonte de 18 a 36 meses”.

Na primeira edição, em 2015-2016, participaram 30 empresas, pelo que a taxa de conversão “é significativa”. Quanto às tecnológicas que participaram nas segunda e terceira edições, Anthony Attia diz que podem ir para o mercado este ano e em 2020. No entanto, admite que “as duras condições do mercado em 2018 levaram ao adiamento de algumas OPV”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Outros conteúdos GMG
De Carcavelos para o toque do sino. Euronext treina empresas para a bolsa