Bolsa

Estado chinês leva o maior cheque de dividendos da bolsa portuguesa

Vai abrir a época de dividendos. As empresas estatais chinesas e a família Soares dos Santos são os investidores que vão encaixar mais dinheiro.

O Estado chinês vai receber o maior cheque de dividendos da bolsa portuguesa. As empresas controladas por Pequim vão receber uma remuneração de 225 milhões de euros devido às participações que detêm na EDP e na REN, privatizadas em 2012.

A empresa liderada por António Mexia vai distribuir 695 milhões de euros em dividendos a 2 de maio. É a maior remuneração da bolsa portuguesa. E as empresas estatais chinesas, a China Three Gorges e a CNIC, terão direito a 196 milhões de euros. Detêm 28,25% da elétrica, tendo reforçado o investimento no final de 2017.

Além do cheque obtido na EDP, Pequim vai receber mais 28,5 milhões de euros da REN, fruto da participação de 25% da State Grid no capital da empresa portuguesa que gere as redes de energia. A China é o maior destino externo dos dividendos portugueses: são 230 milhões de euros (incluindo a remuneração que a Fidelidade, detida pela Fosun, terá direito na REN), segundo cálculos do Dinheiro Vivo. A completar o pódio estão os EUA e Angola.

Os investidores americanos, principalmente grandes fundos de investimento, terão direito a cerca de 155 milhões de euros. As entidades que mais vão receber são as gestoras de ativos Capital Group e BlackRock, 89 milhões e 49 milhões de euros, respetivamente. Entre os maiores investimentos destas gestoras está a EDP. Mas apostam também em outras empresas – o Capital Group na REN; e a BlackRock na Galp e na NOS.

Já os investidores angolanos vão receber quase 110 milhões de euros. Isabel dos Santos deverá obter 68 milhões devido aos investimentos na NOS e na Galp. A posição na petrolífera é detida através da Esperaza Holding de que também faz parte a Sonangol. Aquela entidade detém 45% da Amorim Energia que, por sua vez, é dona de 33,34% da petrolífera. A Sonangol será premiada com mais de 40 milhões em dividendos da Galp, valor que inclui a remuneração paga no final do ano passado.

790 milhões para Portugal

Apesar dos encaixes que investidores americanos e angolanos vão conseguir, o segundo maior cheque em dividendos da bolsa vai para Portugal. A família Soares dos Santos, através da Sociedade Francisco Manuel dos Santos, irá receber mais de 215 milhões de euros da Jerónimo Martins. Detém 56% da dona do Pingo Doce.

New Image

A família Amorim deverá conseguir mais de 100 milhões de euros devido aos investimentos na Galp e na Corticeira Amorim. Já a família Azevedo consegue cerca de 48 milhões com as posições na Sonae e Sonae Indústria.

Ainda entre entidades portuguesas, a Semapa, liderada por Pedro Queiroz Pereira, poderá receber cerca de 140 milhões de euros da Navigator. A empresa de papel é das poucas que ainda não divulgaram a parte dos lucros a distribuir aos acionistas, mas as estimativas dos analistas apontam para uma remuneração de cerca de 200 milhões de euros (0,28 euros por ação).

No total, os grandes investidores e entidades portuguesas deverão receber cerca de 790 milhões de euros. Para os cálculos foram incluídas apenas as participações qualificadas, acima de 2%, e que têm de ser tornadas públicas. Os investidores qualificados levam mais de 1,5 mil milhões do total de 2,38 mil milhões que as empresas portuguesas cotadas na bolsa vão pagar em dividendos.

Portugal, China, EUA e Angola são os que levam a maior fatia dos dividendos; Espanha e o Médio Oriente são os outros grandes destinos: ganham, respetivamente, 66 milhões e 57 milhões de euros das empresas do PSI 20.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O aumento das exportações foi alavancado pelos países da União Europeia. Fotografia: D.R.

Exportações e importações em ritmo acelerado

Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido. Fotografia: REUTERS/Simon Dawson

Theresa May cancela voto parlamentar ao tratado do brexit

Fotografia: José Carlos Pratas/Global Imagens

Governo não muda regras de IRS para salários de anos anteriores

Outros conteúdos GMG
Estado chinês leva o maior cheque de dividendos da bolsa portuguesa