Bolsa

Euronext deverá lançar até dezembro plataforma dedicada a ‘obrigações verdes’

Centro tecnológico da Euronext, sediado na Avenida da Boavista.
(Fábio Poço/Global Imagens)
Centro tecnológico da Euronext, sediado na Avenida da Boavista. (Fábio Poço/Global Imagens)

Obrigações que passarão a estar sujeitas a requisitos específicos "alinhados com as melhores práticas internacionais".

A Euronext deverá lançar em Portugal, até ao final do ano, uma plataforma dedicada às ‘obrigações verdes’ (‘green bonds’), um objetivo inserido no plano de crescimento do grupo para os próximos três anos.

“Vamos lançar um segmento dedicado às ‘green bonds’ nos nossos mercados. A Euronext já é uma empresa líder em ‘listing’ de ‘green bonds’, designadamente na Irlanda. Esta iniciativa deverá ser lançada ainda este ano”, anunciou a presidente executiva da Euronext Lisbon, Isabel Ucha, que falava aos jornalistas em Lisboa.

O grupo vai assim criar um segmento específico para estas obrigações – que são títulos emitidos para a captação de recursos para investimentos em projetos de sustentabilidade que visam a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas -, que vão passar a estar sujeitas a requisitos específicos “alinhados com as melhores práticas internacionais”.

Assim, a informação vai ter que ser reportada de acordo com um padrão internacional, cujas regras ainda estão a ser definidas, e o segmento vai ter também uma verificação externa.

“Não só as empresas têm que cumprir as suas obrigações de reporte financeiro, mas vão ter que cumprir também obrigações de reporte não financeiro”, explicou a responsável.

Ainda no âmbito deste objetivo, o grupo vai lançar um guia para reporte de informação não financeira, especialmente dedicado às empresas de média e pequena capitalização.

A Euronext já lançou 180 emissões de ‘green bonds’ num total de cerca de 60 mil euros.

Portugal teve quatro emissões de ‘obrigações verdes’, três da EDP, que foram realizadas na Euronext Dublin, e uma da bioelétrica do Mondego, através da Euronext Lisboa.

Apesar de não se comprometer com um objetivo, Isabel Ucha mostrou-se confiante quanto à aceleração deste mercado.

“Temos a perceção de que este mercado vai continuar a crescer de forma muito rápida, mais rápida do que tem vindo a crescer nos últimos tempos. Há uma pressão muito grande dos fundos institucionais, como fundos de investimento, companhias de seguros e fundos de pensões, que, cada vez mais, precisam de ter estes instrumentos nas suas carteiras”, sublinhou.

Isabel Ucha avançou ainda que o grupo tem conhecimento de que há emitentes portugueses a prepararem emissões neste segmento, vincando que, na carta de compromissos assinada com o Governo, está presente uma intenção.

Esta carta, recentemente assinada com o Governo ainda em funções, que pretende envolver todo o ecossistema financeiro, tem, segundo a Euronext Lisbon, um compromisso sustentado em quatro eixos de atuação – promover a prosperidade sustentável, incorporada nas recomendações das linhas de orientação estratégica do Governo; participar nos grupos de trabalho e reflexão; promover o debate dos riscos relacionados com a sustentabilidade e a formação nos temas do financiamento sustentável, na informação não financeira e nos desafios da sustentabilidade.

A Euronext pretende, nos próximos três anos, expandir os negócios e consolidar o seu papel no ecossistema financeiro pan-europeu, aproveitando oportunidades e investindo num crescimento sustentável, defendeu o presidente executivo do grupo, num comunicado divulgado na sexta-feira.

“O plano ‘Let’s Grow Together 2022’ é a nova fase de uma jornada emocionante em que embarcámos em 2014. Nos últimos anos, a Euronext cresceu significativamente em escala, diversificando o seu perfil de negócios e otimizando a sua estrutura, investindo em tecnologia, inovação e nas pessoas”, defendeu, no documento, o presidente executivo do grupo, Stéphane Boujnah.

No seguimento deste novo plano, a Euronext está determinada em “construir uma infraestrutura líder” no mercado pan-europeu, através do crescimento, da seleção de oportunidades e da aceleração da inovação, com base num crescimento sustentável.

Assim, o grupo “vai continuar a expandir os seus negócios em toda a cadeia de valor dos mercados financeiros”, aprimorando os serviços e consolidando “o seu papel fundamental no ecossistema financeiro pan-europeu”, acrescentou.

O plano ‘Let’s Grow Together 2022’, recentemente apresentado, contempla estes objetivos e vai guiar a Euronext à medida que esta “transforma os seus negócios e cumpre a missão de ligar as economias locais aos mercados de capitais globais”, explicou Boujnah.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Euronext deverá lançar até dezembro plataforma dedicada a ‘obrigações verdes’