Igualdade

50 mil pessoas querem que a “menina sem medo” fique em Wall Street

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Apesar do sucesso, a estátua deverá ter os dias contados, já que a iniciativa tem a duração prevista de um mês.

As imagens correram o mundo no passado dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. A estátua de bronze de uma menina, com os braços na cintura e expressão destemida, enfrentava o icónico touro de Wall Stret, em Nova Iorque, num simbólico incentivo ao aumento do número de mulheres na liderança de empresas do setor financeiro.

A iniciativa partiu da State Street Global Advisors, e desde então a nova estátua, criação da artista Kristen Visbal, compete com o “Bull” pela atenção dos turistas e curiosos.

Apesar do sucesso, a estátua deverá ter os dias contados, já que a iniciativa tem a duração prevista de um mês. Porém, há quem não queria que a estátua abandone o seu lugar.

Na internet multiplicam-se petições para que a figura da “menina sem medo” fique em Wall Street de forma permanente.

Uma das petições, criada na plataforma Care2, já conta com mais de 28 mil assinaturas. É dirigida à State Street e refere que “a igualdade de género não é uma questão temporária”, e que por isso a estátua, enquanto “poderosa tomada de posição”, não deve ser removida.

Outra das iniciativas, baseada plataforma Change, já conta com o apoio de mais de 23 mil signatários e é dirigida ao mayor de Nova Iorque, Bill de Blasio.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O Facebook quer proteger melhor os dados dos utilizadores

Proteção de dados: Sete medidas que as empresas devem adotar

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice sobe, mas receita da TSU tem melhor início de ano desde 2008

Função pública perdeu 70 mil trabalhadores desde 2011

Sindicatos sobem fasquia e pedem aumentos acima da inflação para 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
50 mil pessoas querem que a “menina sem medo” fique em Wall Street