Bolsa

As dez ações portuguesas preferidas pelo maior fundo soberano do mundo

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A Noruega tem o maior fundo soberano do mundo e aumentou a exposição à bolsa portuguesa para máximos.

É um dos maiores investidores do mundo. Tem mais de um bilião de dólares sob gestão. E reforçou a aposta na bolsa portuguesa. O fundo soberano da Noruega terminou 2017 com posições de 1,17 mil milhões de dólares (cerca de 955 milhões de euros) na bolsa portuguesa, segundo dados divulgados esta terça-feira. É o valor mais elevado de sempre, medindo em coroas norueguesa, a moeda do fundo.

A maior posição na bolsa nacional é nas ações da EDP, onde tinha 2,68% do capital. A participação do fundo soberano no capital da elétrica estava avaliada em 337 milhões de dólares (275 milhões de euros), no final de 2017. No entanto, o veículo de investimento tem a empresa na lista de empresas sob observação devido ao elevado recurso ao carvão. Esse processo pode resultar na exclusão da EDP dos investimentos do fundo, caso a utilização de carvão por parte da elétrica continue a ser elevado.

O fundo soberano da Noruega tem ainda investimentos avultados na Galp, Jerónimo Martins, Nos e BCP. Tem ainda posições acima de 3% do capital nos CTT e na Pharol.

Além da posição na bolsa, o fundo aumentou também o investimento em títulos de dívida. Fechou 2017 com obrigações de entidades portuguesas avaliadas em 633 milhões de dólares. É obrigacionista de bancos como a BCP, Santander Totta, Montepio e Caixa Geral de Depósitos. Tem ainda 462 milhões de dólares em títulos de dívida do Estado e aplicações na CP e na Infraestruturas de Portugal.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
As dez ações portuguesas preferidas pelo maior fundo soberano do mundo