Mercados

Dos perdões de dívida à crise da Netflix. Dez previsões fora da caixa para 2019

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Todos os anos o Saxo Bank faz uma lista das previsões fora da caixa que apesar de serem pouco prováveis teriam impactos significativos nos mercados.

Um perdão de dívida na zona euro? A Apple a comprar a Tesla? O Saxo Bank faz todos os anos uma lista com previsões arrojadas que, embora tenham pouca probabilidade de acontecer, não são impossíveis de se concretizar. É uma forma de refletir sobre os grandes temas que podem ter impacto nos mercados financeiros e que apesar de serem improváveis estão a ser subestimados.

“São riscos que estão ainda subvalorizados e que podem alterar radicalmente as perspetivas de investimento e económicas nos próximos 12 a 24 meses se virem a luz do dia”, explica o economista-chefe do banco dinamarquês na publicação sobre as previsões improváveis para o próximo ano. Steen Jakobsen explica que é uma forma de “encorajar os investidores a pensar fora da caixa”.

A base para as previsões do próximo ano é que é chegado o momento de dizer basta. “Um mundo a ser gerido no vazio terá de acordar e começar a criar reformas, não porque queira mais porque assim será necessário. Os sinais estão em todo o lado”, explica Steen Jakobsen.

O economista explica que “2019 irá marcar uma alteração profunda nesta mentalidade já que estamos a chegar ao fim do caminho em adicionar nova dívida”. Acrescenta que “o grande ciclo de crédito está já a mostras sinais de se estar a restringir em 2018 e irá irromper pelos mercados desenvolvidos no próximo ano e os bancos centrais terão de repensar tudo de novo. Afinal de contas, os seus esforços a imprimir dinheiro desde 2008 apenas cavou um maior buraco de dívida”.

O economista do Saxo Bank explica que “se alguma destas previsões fora da caixa vir a luz do dia, poderemos finalmente ver uma mudança saudável em direção a uma sociedade menos endividada, com um menor foco nos ganhos e no crescimento de curto prazo”. Mas haverá também algumas hipóteses que se concretizarem terão efeitos bem negativos. “Poderemos ver uma degradação da independência dos bancos centrais, uma crise de crédito e perdas pesadas numa ativo em que todos estão a apostar: o imobiliário”, avisa Steen Jakobsen.

Estas previsões não são o cenário central do Saxo Bank. Mas na edição do ano passado houve algumas projeções que acertaram em alguns temas do mercado, como a descida acentuada da bitcoin. O banco dinamarquês perspetivava também uma perda de independência da Reserva Federal dos EUA, que tem vindo a ser pressionada por Donald Trump.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Dos perdões de dívida à crise da Netflix. Dez previsões fora da caixa para 2019