Bolsa

Greenspan avisa os investidores para se protegerem

Alan Greenspan, ex-presidente da Fed
Alan Greenspan, ex-presidente da Fed

Para o ex-presidente da Fed, a festa em Wall Street acabou. Se as bolsas subirem, a correção será muito dolorosa, avisa.

O ex-presidente da Reserva Federal (Fed), Alan Greenspan, não antecipa uma subida dos mercados acionistas, que caminham para ter em 2018 o pior ano desde 2008.

Greenspan, que avisou há mais de duas décadas sobre a “exuberância irracional” nas bolsas, deixou o alerta numa entrevista à CNN, esta terça-feira.

“Seria muito surpreendente vê-lo estabilizar aqui e em seguida descolar”, afirmou, dando a entender que a festa em Wall Street acabou.

Avisou que os mercados podem ainda subir um pouco mais mas a correção seria dolorosa: “no final dessa subida, fujam e abriguem-se”.

As bolsas têm estado sob pressão nas últimas semanas. Os investidores receiam um abrandamento do crescimento económico mundial.

A Fed prepara-se para anunciar um provável novo aumento das taxas de juro nos Estados Unidos. Será o quarto aumento em 2018, apesar dos sinais de abrandamento do crescimento da economia e da inflação estar controlada.

O presidente dos EUA, Donald Trump, tem criticado a política da Fed e tem feito vários apelos para que não aumente as taxas de juro, porque prejudica o crescimento económico. Bancos antecipam que o crescimento económico no país vai abrandar em 2019 e a economia pode entrar em recessão em 2020, ano de eleições presidenciais.

As incertezas em torno da guerra comercial EUA/China mantêm-se.

Na Europa, cresce o descontentamento social em França, que já obrigou o presidente francês a anunciar medidas para conter a revolta popular, sem sucesso. E o Reino Unido está a viver um momento histórico, com a saída da União Europeia sem rede, o que está a causar instabilidade política interna.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves, CEO da TAP Air Portugal. Foto: REUTERS/Regis Duvignau

TAP com prejuízos 118 de milhões em 2018

Roman Escolano, ministro da Economia de Espanha, Mario Draghi, do BCE, e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Yves Herman

Portugal ainda satisfaz pouco nas reformas estruturais, mas supera nota da UE

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução e vice-governador do Banco de Portugal.

Banca só pagou 20% dos custos do Fundo de Resolução

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Greenspan avisa os investidores para se protegerem