Greenvolt junta-se ao PSI20 dois meses após entrada em bolsa

Empresa do grupo Altri é liderada pelo ex-CEO da EDP Renováveis, Manso Neto.

A Greenvolt, empresa subsidiária da Altri para o setor das energias renováveis, irá integrar o principal índice bolsista português, o PSI20, cerca de dois meses após ter entrado no mercado, anunciou hoje a Euronext Lisboa.

De acordo com a revisão trimestral dos resultados do PSI20 hoje publicada, a empresa liderada por Isabel Ucha, que gere a bolsa de Lisboa, anunciou a "inclusão" da Greenvolt no PSI20, que passará a contar com 19 títulos cotados, face aos atuais 18.

A Greenvolt, presidida pelo anterior líder da EDP Renováveis João Manso Neto, entrou em bolsa no dia 15 de julho, e segundo a Euronext deverá integrar o PSI20 no dia 20 de setembro.

"A Euronext anunciou hoje os resultados da revisão trimestral para o PSI 20, que terão lugar depois do fecho dos mercados na sexta-feira, 17 de setembro, e serão efetivos a partir de segunda-feira, 20 de setembro", pode ler-se na comunicação hoje feita pela empresa gestora da bolsa de Lisboa.

Na sessão bolsista de hoje, a Greenvolt valorizou-se 1,8% para 5,65 euros.

Aquando da cerimónia de entrada em bolsa da empresa, no dia 14 de julho, o presidente João Manso Neto já tinha anunciado a intenção de entrar no PSI20 a partir de setembro.

"Temos a pretensão de logo que possível - e logo que possível tem de ser setembro porque não pode ser antes - de aderir ao PSI20. Isso aí é ponto de honra. Queremos fazê-lo e muito rapidamente", disse Manso Neto na sessão de admissão em bolsa que decorreu na Euronext Lisboa, referindo-se ao principal índice da praça lisboeta.

A Greenvolt -- Energias Renováveis, S.A. definiu o preço da Oferta Pública Inicial (IPO) para novas ações em 4,25 euros cada, segundo uma nota da empresa enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários em julho.

Em junho, a empresa tinha anunciado uma IPO de cerca de 150 milhões de euros dirigida a investidores qualificados, com aumento de capital reservado adicional e simultâneo de 56 milhões de euros como contrapartida da aquisição da polaca V-Ridium.

A este processo seguiu-se o anúncio do registo do aumento do capital social de 70 milhões de euros para 247.599.998,75 euros, com a emissão de 41.788.235 novas ações ao preço de subscrição de 4,25 euros.

Posteriormente, em 26 de julho, foi anunciado que a empresa iria aumentar o capital em mais de 19,4 ME com emissão de novas ações, depois de os 'managers' terem exercido a 'greenshoe option' de 4.588.235 ações, com um preço de 4,25 euros cada.

Em 27 de julho, o capital social da Greenvolt passou a ser de 267 milhões de euros.

No primeiro semestre, os lucros da empresa caíram 82,3%, para um milhão de euros, com o impacto das paragens para manutenção nas centrais de biomassa em Portugal e da aquisição da britânica Tilbury.

Notícia atualizada às 18h35

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de