Cimpor

InterCement vai retirar Cimpor da bolsa com oferta sobre 4,9%

Fotografia: José Mota / Global Imagens
Fotografia: José Mota / Global Imagens

InterCement vai avançar para compra de 4,9% da Cimpor que não detém, pagando "preço médio" dos últimos 6 meses. Investimento será de cerca 11 milhões

A InterCement, acionista maioritária da Cimpor, convocou esta tarde uma assembleia-geral extraordinária para o próximo dia 21 de junho, onde irá propor – e aprovar – a retirada da Cimpor da bolsa portuguesa. A InterCement é detida pelos brasileiros da Camargo Côrrea.

Em comunicado agora enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a acionista maioritária da Cimpor, com cerca de 95% do capital, explica que esta AG extraordinária terá como ponto único a deliberação “sobre a perda da qualidade de sociedade aberta” da Cimpor.

A cimenteira conta atualmente com apenas 4,9% das suas ações disponíveis para transação em bolsa – free float -, razão pela qual apresenta “níveis de transação em mercado pouco significativos” e não consegue fazer parte “da composição dos principais índices bolsistas”.

A InterCement vai assim avançar com uma proposta sobre este punhado de ações que não detém, prometendo oferecer o “valor equivalente ao preço médio ponderado das ações da Cimpor no mercado Euronext durante os últimos 6 meses”, ou seja, pouco mais de 31 cêntimos por título – o que pode obrigar a um investimento de aproximadamente 11 milhões de euros.

Além do reduzido free float da Cimpor, a Camargo Côrrea justifica a decisão também com o “aparente afastamento” dos acionistas minoritários do dia-a-dia da cimenteira, “evidenciado pela ausência dos mesmos” em assembleias-gerais recentes.

Além disso, também “a evolução negativa das operações industriais” no Brasil e a “deterioração dos capitais próprios” e da dívida da empresa, que evidenciaram “não estarem reunidas as condições para prosseguir, no curto prazo, com o aumento de capital” antes previsto para a empresa, são apontadas como razões para a decisão agora comunicada.

No início de abril último, a mesma InterCement tinha aprovado um aumento de capital para a Cimpor em até 2000 milhões de euros, através de uma ou várias operações. Volvidos menos de dois meses, tudo mudou.

“Considera a InterCement mais adequado à presente situação, designadamente para os acionistas minoritários da Cimpor, proceder à exclusão da negociação das ações da Sociedade do mercado regulamentado, por via da perda de qualidade de sociedade aberta”, refere a acionista maioritária da cimenteira no comunicado à CMVM.

Apesar desta decisão, os brasileiros admitem numa fase posterior, e “perante uma alteração positiva das circunstâncias que hoje afetam as economias dos países onde a empresa opera”, voltar a abrir o capital da Cimpor – o que todavia nunca poderá ocorrer no prazo de um ano desde a retirada de bolsa.

Sobre a atividade da Cimpor, a InterCement sublinha que “esta proposta não pretende afetar as atividades da companhia em Portugal ou nas restantes geografias onde opera”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lisboa

Balcão dos despejos recebeu 294 pedidos por mês. São menos 44 do que em 2017

www.dinheirovivo.ptcombustiveis-7-1-1bb026ceb7a816266a2de2967749df8fd8ec068c-34e8f5d94c782fb8aeedef4aac66cd8f0db5ac96

Combustíveis descem há seis semanas, mas estão mais caros do que em janeiro

Tomás Correia, preside a Associação Mutualista Montepio, dona do Caixa Económica

Tomás Correia. Entrada da Santa Casa fica fechada “em menos de 30 dias”

Outros conteúdos GMG
InterCement vai retirar Cimpor da bolsa com oferta sobre 4,9%