Cimpor

InterCement vai retirar Cimpor da bolsa com oferta sobre 4,9%

Fotografia: José Mota / Global Imagens
Fotografia: José Mota / Global Imagens

InterCement vai avançar para compra de 4,9% da Cimpor que não detém, pagando "preço médio" dos últimos 6 meses. Investimento será de cerca 11 milhões

A InterCement, acionista maioritária da Cimpor, convocou esta tarde uma assembleia-geral extraordinária para o próximo dia 21 de junho, onde irá propor – e aprovar – a retirada da Cimpor da bolsa portuguesa. A InterCement é detida pelos brasileiros da Camargo Côrrea.

Em comunicado agora enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a acionista maioritária da Cimpor, com cerca de 95% do capital, explica que esta AG extraordinária terá como ponto único a deliberação “sobre a perda da qualidade de sociedade aberta” da Cimpor.

A cimenteira conta atualmente com apenas 4,9% das suas ações disponíveis para transação em bolsa – free float -, razão pela qual apresenta “níveis de transação em mercado pouco significativos” e não consegue fazer parte “da composição dos principais índices bolsistas”.

A InterCement vai assim avançar com uma proposta sobre este punhado de ações que não detém, prometendo oferecer o “valor equivalente ao preço médio ponderado das ações da Cimpor no mercado Euronext durante os últimos 6 meses”, ou seja, pouco mais de 31 cêntimos por título – o que pode obrigar a um investimento de aproximadamente 11 milhões de euros.

Além do reduzido free float da Cimpor, a Camargo Côrrea justifica a decisão também com o “aparente afastamento” dos acionistas minoritários do dia-a-dia da cimenteira, “evidenciado pela ausência dos mesmos” em assembleias-gerais recentes.

Além disso, também “a evolução negativa das operações industriais” no Brasil e a “deterioração dos capitais próprios” e da dívida da empresa, que evidenciaram “não estarem reunidas as condições para prosseguir, no curto prazo, com o aumento de capital” antes previsto para a empresa, são apontadas como razões para a decisão agora comunicada.

No início de abril último, a mesma InterCement tinha aprovado um aumento de capital para a Cimpor em até 2000 milhões de euros, através de uma ou várias operações. Volvidos menos de dois meses, tudo mudou.

“Considera a InterCement mais adequado à presente situação, designadamente para os acionistas minoritários da Cimpor, proceder à exclusão da negociação das ações da Sociedade do mercado regulamentado, por via da perda de qualidade de sociedade aberta”, refere a acionista maioritária da cimenteira no comunicado à CMVM.

Apesar desta decisão, os brasileiros admitem numa fase posterior, e “perante uma alteração positiva das circunstâncias que hoje afetam as economias dos países onde a empresa opera”, voltar a abrir o capital da Cimpor – o que todavia nunca poderá ocorrer no prazo de um ano desde a retirada de bolsa.

Sobre a atividade da Cimpor, a InterCement sublinha que “esta proposta não pretende afetar as atividades da companhia em Portugal ou nas restantes geografias onde opera”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso. TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso alerta para controlo da despesa na saúde

No segundo trimestre deste ano, o aeroporto de Lisboa movimentou 7,7 milhões de passageiros.

Aeroporto de Lisboa recebe mais de 7 milhões de turistas no segundo trimestre

António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Outros conteúdos GMG
InterCement vai retirar Cimpor da bolsa com oferta sobre 4,9%