CTT

Maior acionista dos CTT aproveita fraqueza das ações para reforçar

02.08_CTT

A Gestmin, liderada por Manuel Champalimaud, comprou ações dos CTT após o anúncio do plano de reestruturação.

A Gestmin, de Manuel Champalimaud, reforçou nos CTT nas sessões que se seguiram ao plano de reestruturação apresentado pela empresa para responder à pressão dos investidores. Numa altura em que os títulos da empresa de correios perdem cerca de 45% desde o início do ano, este investidor deu sinais de que confia na recuperação dos CTT.

Entre 20 e 22 de dezembro, responsáveis da Gestmin investiram mais de 4,3 milhões de euros nos CTT. A posição do maior acionista foi reforçada para mais de 11%, Entre os vários gestores que apostaram na empresa esteve o próprio Manuel Champalimaud, que comprou mais de 716 mil ações por um valor de mais de 2,65 milhões de euros. A Gestmin e os seus gestores passam a controlar mais de 11% da empresa de correios.

Os CTT, liderados por Francisco Lacerda, mostraram as medidas de corte de custos a 19 de dezembro. A empresa vai reduzir o número de trabalhadores em 800 nos próximos três anos. Este ano tem em curso a saída de mais de 200 funcionários. Os administradores vão ter um corte no vencimento e a empresa admite que caso os resultados desçam pode voltar a cortar o dividendo aos acionistas.

Na sessão seguinte ao anúncio, as ações reagiram em alta, chegando a subir mais de 10%. Mas esse efeito desvaneceu-se nos dias seguintes. Encerraram a sessão desta quarta-feira com uma subida de 0,28% para 3,55 euros, um valor mais baixo que o preço médio de 3,7058 euros pago por Manuel Champalimaud no reforço feito na sessão seguinte à divulgação do plano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Samsung Fold

Samsung lança o smartphone dobrável Fold por 2 mil euros

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Maior acionista dos CTT aproveita fraqueza das ações para reforçar