Mota-Engil afunda quase 4% com receios de fracos resultados trimestrais

Gonçalo Moura Martins, CEO da Mota-Engil
Gonçalo Moura Martins, CEO da Mota-Engil

As ações da Mota-Engil desvalorizaram 3,76%, com os investidores a temerem que a maior construtora portuguesa apresente manhã um conjunto fraco de resultados, tendo em conta a quebra prevista na atividade do seu maior mercado, África.

“Há algum receio do mercado antes dos resultados, que deverão ser mais fracos que os do trimestre homólogo, devido à quebra de atividade em África”, explicou o analista da Fincor, Albino Oliveira, em declarações à Reuters.

Segundo os analistas do BPI, o lucro líquido da Mota-Engil terá tido uma queda homóloga de 31,5% para 5 milhões de euros nos três meses de 2015, com a performance operacional a ser prejudicada pelo abrandamento da atividade em África, aliado a um aumento dos custos financeiros e dos interesses minoritários.

Negociaram-se 335 mil ações da Mota-Engil a descerem 3,26% para 2,905 euros, suplantando a queda de 0,77% do índice de referência nacional.

A maior construtora portuguesa apresenta amanhã, após o fecho de bolsa, os seus resultados do primeiro trimestre.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Mota-Engil afunda quase 4% com receios de fracos resultados trimestrais