Futebol

Obrigações do Porto atraíram mais de 3.200 investidores

Fotografia: Ivan Del Val / Global Imagens
Fotografia: Ivan Del Val / Global Imagens

A SAD do FC Porto financiou-se em 35 milhões de euros. A procura foi quase o dobro do montante em oferta.

A SAD do FC Porto financiou-se em 35 milhões de euros em obrigações a três anos com uma taxa ilíquida de 4,75%. A operação atraiu uma procura forte. Houve mais de 3.200 investidores a participar na emissão e a procura superou os 65 milhões de euros, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pela entidade que gere a bolsa portuguesa, a Euronext.

Só no primeiro dia da oferta, os investidores deram ordens de mais de 28 milhões de euros para financiar a SAD azul e branca. Apesar da procura, o FC Porto decidiu não aumentar o valor da emissão já que encaixou 100 milhões de euros com uma cessão dos créditos dos direitos televisivos.

O valor angariado com estas obrigações ajudará a fazer o reembolso de título de dívida que tinham sido emitidos há três anos, no valor de 45 milhões de euros.

Mais de 130 investiram valores superiores 50 mil euros

A maior parte dos 3.212 investidores que participaram na operação não investiu mais de 1.000 euros nas obrigações da SAD, segundo os dados da Euronext. Houve 1.864 aforradores que não foram além daquele valor. Mas houve 133 investidores que mostraram apetite pelas obrigações da SAD liderada por Pinto da Costa, ao aplicarem mais de 50 mil euros nesses títulos.

Além do FC Porto também o Sporting pretende fazer em breve uma emissão de obrigações. Mas essa operação ainda não teve luz verde devido à crise institucional que os verde e brancos atravessam. Também o Benfica poderá ter de arrancar com um empréstimo obrigacionistas nas próximas semanas para fazer face a um reembolso de 45 milhões de euros.

A operação teve o Montepio Investimento como coordenador global. Do sindicato de colocação fizeram parte o ActivoBank, o Banco Best, o Banco Carregosa, o CaixaBI, o Montepio, o BCP e o Novo Banco.

Atualizada às 17:00 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Salário mínimo português é o nono mais baixo da Europa em poder de compra

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.  (EPA/RONALD WITTEK)

Compras do BCE chegam ao fim. Portugal ficou no fundo da lista

casas de lisboa

Moody’s. Há risco de irrealismo no preço das casas em Lisboa e Porto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Obrigações do Porto atraíram mais de 3.200 investidores