OPEP

OPEP falha acordo e nomeia novo secretário-geral

Cartel volta a falhar acordo quanto a novo limite máximo de produção. Mohammed Barkindo é o novo secretário-geral e próxima reunião em novembro

E à terceira não foi de vez. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) manteve os níveis de produção de petróleo inalterados, falhando assim um acordo quanto a limite máximo de produção, tal como aconteceu nas reuniões de dezembro e abril passados.

A notícia está a ser avançada pela Reuters, que citando dois responsáveis, adianta ainda que o cartel nomeou Mohammed Barkindo como o seu novo secretário-geral.

Em conferência de imprensa, a OPEP confirmou a falha de um acordo e argumenta que “os preços têm vindo a subir desde a última reunião” do cartel, o que demonstra que “o mercado entrou num processo de equilíbrio” face aos baixos preços registados aquando do início do ano.

O cartel defende que “os níveis de investimento no mercado petrolífero necessitam de ser aumentados” e que está comprometido em “garantir a estabilidade do mercado para obter receitas sustentáveis e eficiência económica, tanto para os países produtores como para os exportadores”.

“Face às condições atuais, os países da OPEP vão continuar a monitorizar o mercado e os preços”.

A OPEP confirmou ainda o nome de Mohammed Barkindo como o seu novo secretário-geral, que assumirá funções no próximo dia 1 de agosto, e revelou que a data da próxima reunião do cartel será a 30 de novembro, novamente em Viena, na Áustria.

Como reação ao anúncio da OPEP, os preços do petróleo inverteram a tendência de subida registada ao longo do dia e seguem agora a deslizar. O brent – petróleo de referência para as importações nacionais – recua para os 49,08 dólares o barril, e o crude negociado em Nova Iorque cai para os 48,16 dólares o barril.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

OPEP falha acordo e nomeia novo secretário-geral