OPEP

OPEP: Produção volta a subir em julho, apesar de acordo de redução da oferta

Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters
Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters

A produção da OPEP está há quase quatro meses em alta e aproxima-se dos 33 milhões de barris diários de dezembro passado

A produção da OPEP voltou a subir em julho, apesar da estratégia oficial para cortar a produção de petróleo e reduzir a oferta no mercado, informou hoje a Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

Os 14 membros da OPEP produziram 32,86 milhões de barris por dia, mais 0,5% que no mês anterior, segundo os dados do relatório mensal divulgado em Viena.

A produção da OPEP está há quase quatro meses em alta e aproxima-se dos 33 milhões de barris diários de dezembro passado, salientou.

Nessa altura, os países-membros da OPEP e outros grandes produtores não pertencentes à organização chegaram a um acordo para cortar a produção em 1,8 milhões de barris por dia, compromisso que foi renovado em maio passado.

A Líbia e a Nigéria, que ficaram de fora do acordo que previa o corte do crude devido a problemas de produção por que passavam estes países, foram os membros da OPEP onde a produção mais cresceu, além da Arábia Saudita.

O Iraque, Angola e a Venezuela foram os países em que a produção de crude mais caiu no mês de julho.

Segundo a OPEP, o desequilíbrio entre a oferta e a procura tem-se reduzido ao longo deste ano e no segundo trimestre de 2017 o excesso e produção cifrou-se em 390.000 barris de petróleo.

Contudo, o volume de crude armazenado nos países mais desenvolvidos, e que mais consomem, continua a ser muito elevado e cifrava-se em 3.033 milhões de barris, ou seja, 252 milhões de barris acima da média dos últimos cinco anos.

Para 2018, a OPEP espera uma subida da procura de crude em 1,32%, para 97,77 milhões de barris por dia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
OPEP: Produção volta a subir em julho, apesar de acordo de redução da oferta